Ano Novo Chinês: conheça mais sobre o calendário e tradições - Hoje São Paulo
São Paulo, SP, 19/08/2018
 
18/02/2016 - 15h35m

Ano Novo Chinês: conheça mais sobre o calendário e tradições

Agência Hoje  
Reprodução

São Paulo (Agência Hoje/Isabela Guiaro) - Diferentemente da cultura ocidental, a China utiliza o calendário lunissolar, que considera fases da lua e posições do sol para a sua formação. Por conta disso, o novo ano sempre começa na primeira noite de lua nova mais próxima do dia em que o sol passa pelo décimo quinto grau de Aquário, que, em 2016, foi em 8 de fevereiro, para nós.

Este calendário conta com os 12 ciclos lunares, que somam 354 dias. Como o ciclo solar possui 365,25 dias, a cada três anos é acrescentado um mês para não perder a sincronia entre os dois.

Além disso, os anos são relacionados aos doze animais do zodíaco chinês. Segundo a lenda, cada um destes bichos teria atendido ao chamado de Buda e, em agradecimento, este os transformou em signos do horóscopo.

Os animais são rato, búfalo/boi, tigre, coelho, dragão, serpente/cobra, cavalo, carneiro/cabra, macaco, galo, cachorro/cão e o javali/porco, apresentados nesta sequência, pois esta seria a ordem de chegada para visitar Buda. Enquanto 2015 foi o ano do carneiro, 2016 é o ano do macaco, regido pelo planeta Marte (fogo).

Tradições

Envelope vermelho: dentro dele é colocada uma quantia de dinheiro e entregue para os mais jovens.

Troca de presentes: pequenos presentes, geralmente comidas, são trocados entre familiares e amigos.

Fogos de artifício: a queima de fogos é bastante popular durante o ano novo chinês.

Decorações: entre as cores, a vermelha é a mais utilizada por simbolizar a virtude e felicidade; já entre as flores, as mais comuns são a de ameixa, a fortunella, o narciso e o bambu. Impressões coloridas em um bloco de madeira (Nianhua), lanternas chinesas e o caracter invertido "福 (fú – em português, felicidade)" também são usados para decorar.

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro