São Paulo, SP, 14/11/2019
 
10/04/2014 - 14h49m

Artigo 26 - Prevenção e sinais de tumores ginecológicos - Parte 2

Agência Hoje/Dra. Silvia Regina Graziani* 

Artigo escrito pela Dra. Silvia Regina Graziani*

Este artigo será a respeito do segundo tumor mais frequente em mulheres, que é o tumor do corpo uterino ou Endométrio.

O endométrio é a camada interna do útero e se trata de um tecido humano repleto de vasos sanguíneos, dado a sua função, que é de desenvolver a gestação após a fecundação do óvulo.

O câncer do endométrio é um dos tumores mais frequentes e acomete principalmente mulheres após a menopausa, depois de 60 anos, mas pode ocorrer também em mulheres aos 40 anos, embora seja bem menos frequente.

O diagnóstico precoce leva a cura em 90% dos casos, porém não há medidas de prevenção para câncer do endométrio. O que ocorre são as determinações dos fatores de risco para o desenvolvimento da doença e desta forma as mulheres que se enquadram nesses fatores devem ter mais atenção aos sintomas e realizar exames ginecológicos com frequência maior.

Os principais fatores de risco são:

-obesidade associada a dieta rica em ingestão de gordura animal (tipo carne gorda)

-uso de terapia de reposição hormonal na menopausa

-portadoras de Síndrome de ovários policísticos.

-mulheres que não tem ovulação de forma crônica

-mulheres que nunca engravidaram

-idade precoce na primeira menstruação (menos de 12 anos e tardia na menopausa (após 50 anos)

-mulheres que fizeram ou fazem uso do medicamento Tamoxifeno para o tratamento do câncer de mama

-hipertensão arterial

-diabetes do tipo 2, ou seja os que são tratados com hipoglicemiantes orais e que são diagnosticados na idade adulta

-histórico familiar de câncer de mama, ovário, intestino e útero

-histórico pessoal de hiperplasia do endométrio

Os sintomas indicativos de câncer de endométrio são:

-sangramento vaginal no período após a menopausa

-sangramento mais intenso em mulheres que ainda menstruam

-corrimento vaginal branco ou amarelo em mulheres após a menopausa, que podem anteceder o sangramento.

Quando ocorrer um desses sinais, a mulher devera procurar imediatamente um ginecologista para a realização de exames de ultrassonografia transvaginal.

Se no exame de ultrassonografia transvaginal ocorrer alteração na espessura do endométrio, haverá indicação de outro exame que se chama histeroscopia e consiste na “raspagem” ou curetagem do endométrio para analise anatomo patológica e visualização da cavidade uterina.

Após o diagnóstico a conduta será elucidada pelo medico ginecologista.

Recomendações básicas e dicas:

-realizar o exame de citologia de Papanicolau com frequência, porém não é suficiente para diagnosticar câncer de endométrio

-se houver sangramento após a menstruação, e principalmente após os 50 anos e se a mulher for obesa e diabética, considerar que estes são fatores de risco importantíssimos para câncer de endométrio

-mulheres mais jovens, que não tiveram filhos e desejam tê-los, devem consultar um ginecologista para discutir a conduta, pois é possível ter filhos através de fertilização assistida antes do tratamento definitivo.

Fontes de informação:

- www.inca.gov.br

- www.accamargo.org.br

-Rastreamento e diagnóstico do carcinoma de endométrio, Revista Pratica Médica, 53(1): 64-71, jan-mar. 2009

-Clinical Cancer Research 14, 1692-1700, march 15, 2008.

* A Dra. Silvia Regina Graziani, CRM 56925, é Medica Oncologista Clinica, com título de especialista em Cancerologia (1992). Residência Médica: Hospital do Câncer A. C. Camargo. Mestrado e Doutorado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Médica do Instituto do Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho – IAVC, São Paulo.

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro