São Paulo, SP, 21/09/2019
 
15/07/2014 - 17h37m

Artigo 33 - Mieloma Múltiplo: embora raro, é um alerta para idosos

Agência Hoje/Dra. Silvia Regina Graziani*  
Reprodução

Artigo escrito pela Dra. Silvia Regina Graziani*

O Mieloma Múltiplo é uma doença hematológica maligna que atinge basicamente pessoas idosas, com mais de 65 anos, sendo rara aos 40 anos, embora a incidência esteja aumentando.

Essa doença ocorre pelo acometimento de uma das células do sangue que esta instalada na Medula Óssea, o Plasmócito.

O Plasmócito é uma célula de defesa, que produz uma substância que age contra algum invasor de nosso organismo como vírus e bactérias, chamada de imunoglobulina, que são as bases dos nossos Anticorpos.

No Mieloma Múltiplo essas células começam a se multiplicar na medula óssea, onde também estão as células produtoras dos glóbulos vermelhos, brancos e as plaquetas.

Esses Plasmócitos anormais, que estão se dividindo sem controle, produzem uma substancia também anormal, que é uma proteína chamada de proteína M.

Esta proteína M pode ser detectada no sangue e na urina.

Quando uma pessoa idosa apresenta quadro de anemia e infecção de repetição associado principalmente a dores nos ossos, uma das hipóteses para o diagnostico é o Mieloma Múltiplo.

O diagnóstico é feito através do quadro clínico, associado à pesquisa da proteína M no sangue e na urina.

Outra forma de confirmar o diagnostico é com o exame de Mielograma, o qual a analise pelo medico hematologista, será da presença de um numero aumentado de plasmocitos com característica maligna.

Normalmente temos 5% de Plasmocitos na medula, no Mieloma Múltiplo temos de 10 a 90% de Plasmocitos.

Outros exames alterados no Mieloma Múltiplo são:

-Raio x dos ossos – localização de lesões líticas, do tipo fraturas nos ossos longos principalmente

-aumento do cálcio no sangue

-insuficiência renal, com aumento dos níveis de ureia e creatinina

Um alerta é os sintomas do Mieloma Múltiplo:

Embora inespecíficos e comuns a muitas queixas em pessoas idosas, devemos prestar muita atenção se esses sintomas persistem para procurar um médico e realizar os exames:

-cansaço e fraqueza, que se da devido à anemia, sendo o sintoma mais comum.

-dores nos ossos, principalmente na coluna, que não melhoram com uso de analgésicos.

-fraturas ósseas que ocorrem de forma espontânea.

-infecções de repetição do tipo infecção urinária, na pele, pulmonar, e outras.

-mau funcionamento dos rins, com alteração na urina, muito escura por exemplo(mais concentrada) ou urinar em grande quantidade.

Há fatores de risco para o Mieloma Múltiplo?

Na realidade não se conhece as causas da doença, mas provavelmente ocorra uma predisposição genética associada a fatores do ambiente para que a doença se desenvolva.

Pessoas que na terceira idade tem um maior risco de desenvolver MielomaMultiplo e deve ficar atenta aos sintomas são:

-indivíduos que trabalharam com radiação ionizante(raio x), substancias químicas(fabricação de tintas, solventes) e herbicidas.

-agricultores

-operários da indústria de metais pesados, tintas, petróleo e benzeno

-trabalhadores de minas com exposição ao asbesto

- pessoas que tenham parentes de primeiro grau(mãe ou pai, irmão(ã) ou filhos(as) com diagnostico de Mieloma Múltiplo, embora não tenha evidencia de ser hereditário, é um alerta aos familiares.

-esta em estudo a associação de infecção por alguns tipos de vírus com a incidência de Mieloma Múltiplo, ainda não concluído.

Novidades no Tratamento e novas esperanças:

O Tratamento depende da infiltração da Medula Óssea pelo Plasmócitos, mas basicamente todos os pacientes devem ser tratados com quimioterapia, associado ou não ao transplante de medula óssea autólogo (do próprio paciente) ou alogenico(de um doador), quando o paciente não tem outras doenças graves que possa comprometer órgão vitais e a radioterapia.

O transplante da Medula Óssea é uma etapa importante no controle da doença para pacientes que tem condições de ser submetidos a este procedimento.

Caso o paciente não tenha condições de receber sua própria medula, há a possibilidade de receber uma medula de um doador.

O INCA (Instituto Nacional do Câncer – Rio de Janeiro) disponibiliza um programa para cadastro de doadores:

REDOME (Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea): que reúne informações de pessoas que querem ser voluntarias para doação de medula óssea.

Através de um sistema informatizado de informações cruza as informações de doadores e pacientes que necessitam de transplante, e quando há compatibilidade, a pessoa é convocada para a doação.

A informação e divulgação deste programa fizeram com que houvesse um aumento expressivo de doadores, pois no ano de 2000 eram 12000 inscritos, hoje são 3,2 milhões de voluntários inscritos, tornando o Brasil o terceiro maior banco de dados de gênero do mundo, graças a campanhas do Ministério da Saúde e do INCA.

Para se inscrever como um doador voluntário é possível através da inscrição em um Hemocentro de seu Estado.

Informações pelo telefone: 021-3207-1580 (INCA)

Outra novidade para pacientes com Mieloma Múltiplo ocorreu no ano de 2006, onde foi aprovado pela ANVISA no Brasil um novo medicamento muito promissor para os pacientes que tem diagnostico de Mieloma Múltiplo, que é o Bortezomibe, nome comercial Velcade®.

A indicação deste medicamento é para pacientes que não tem indicação de Transplante de Medula Óssea, e monstra bons resultados com nova esperança para portadores de Mieloma Múltiplo.

O Bortezomibe é comercializado pela Janssen e esta empresa disponibiliza um Programa de apoio aos pacientes com Mieloma Múltiplo chamado de Programa JUNTOS.

Neste programa o paciente e seus familiares tem acesso a informações sobre o Mieloma Múltiplo acessando pela internet ou por telefone onde há disponibilização de materiais informativos, monitorização das consultas dos pacientes nos locais de tratamento e orientação dos efeitos colaterais que os pacientes possam apresentar durante o uso desta medicação. O email é: Programa.juntos@azimute.med.br,ou pelo telefone: 08007797979.

Fontes pesquisadas:

-Abstratsda ASCO - 2012

-www.abcdasaude.com.br

-www.inca.org.br

-www.programa.juntos@azimute.med.br

-www.oncoguia.org.br

- redome@inca.gov.br

-www.janssen.com.br

* A Dra. Silvia Regina Graziani, CRM 56925, é Medica Oncologista Clinica, com título de especialista em Cancerologia (1992). Residência Médica: Hospital do Câncer A. C. Camargo. Mestrado e Doutorado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Médica do Instituto do Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho – IAVC, São Paulo.

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro