São Paulo, SP, 18/06/2019
 
15/09/2014 - 13h16m

Artigo 38 - Novidades sobre o tratamento do câncer de pulmão

Agência Hoje/Dra. Silvia Regina Graziani*  
Reprodução
  • Correlação radiológica de um estudo experimental com esses medicamentos específicos para alteração genética
  • Mapeamento genético do câncer de pulmão não pequenas células
  • Frequência dos sintomas relacionados ao diagnóstico em 540 pacientes com câncer de pulmão

São Paulo - Entre os dias 21 e 23 de agosto aconteceu na cidade de Lima, no Peru um congresso que teve como tema câncer de pulmão, onde foi discutido sobre as novidades no tratamento do da doença.

O câncer de pulmão é a neoplasia maligna mais comum no mundo, sendo o principal responsável pela alta incidência de câncer e o primeiro em mortalidade em homens e mulheres, principalmente nos países em desenvolvimento.

Os tumores de pulmão são classificados em 2 grandes grupos:

• Carcinomas ou neoplasias de pequenas células

• Carcinomas de não pequenas células.

Os carcinomas de não pequenas células são os mais frequentes, correspondendo a 80% dos tumores de pulmão.

Esses são subdivididos em:

• Carcinoma epidermóide – onde 80% esta diretamente relacionado ao hábito de fumar

• Adenocarcinoma – 20% relacionado ao fumo

Os carcinomas de grandes células,carcinomaadenoescamoso, carcinoma sarcomatóide, carcinoide e o carcinoma adenocistico compõe os cinco subgrupos muito raros e a frequência muito mais baixa e parece não estar relacionado com o habito de fumar.

Os carcinomas de pequenas células, também chamados de “oatcell” são menos frequentes e se caracterizam por tumores decomportamento biológico mais agressivos, com crescimento rápido.

Os carcinomas do tipo histológico epidermoideque este diretamente relacionado ao habito de fumar há pessoas que desenvolvem este tido de tumor sem nunca ter fumado.

Hoje sabemos que essas pessoas tem predisposição genética para o desenvolvimento de câncer e associado ao hábito de fumar, terá aumento das chances de desenvolver o câncer de pulmão de forma significativa muito maior.

O conhecimento dos fatores causadores de doenças como o câncer é de muita importância, pois permite o estabelecimento de prioridades para alocar recursos de forma direcionada para a modificação do cenário como citado no artigo anterior a respeito de campanhas de conscientização de crianças e adolescentes para que não experimentem o primeiro cigarro.

Também foi discutido que os sintomasrelacionados ao câncer de pulmão são relacionados com os tumores avançados:

• Tosse seca, que se torna persistente e ocorre em horários que habitualmente não ocorria, porque é comum pessoas que fumam ter tosse relacionada a doença crônica pulmonar desenvolvida pela inflamação que o fumo causa no pulmão.

• Sangramento das vias respiratórias, geralmente expelido com a tosse

• Sensação de encurtamento da respiração

• Rouquidão, que pode ocorrer devido a localização do tumor que envolve o nervo da laringe. O nervo laríngeo recorrente inerva as cordas vocais e quando acometido as paralisa, causando a rouquidão

• Dor no tórax persistente, ou dor ao inspirar profundamente

• Diagnóstico de pneumonia de repetição

Em relação as novidades do tratamento o grande avanço foi o conhecimento dos genes que estão relacionados com o aparecimento do câncer de pulmão não pequenas células, em especial o sub tipo mais frequente que é o Adenocarcinoma.

Os genes codificados são: FGTR – mutação, C-MET superexpressão, CCN01 e 02, amplificação.

Isso nos dá a possibilidade de terapia alvo específica para o tratamento, baseado no erro do gene envolvido, o que já é possível com o conhecimento da mutação do gene EGFR.

Quando presente esta mutação no tipo Adenocarcinoma de pulmão, o paciente não mais faz quimioterapia.

Estra indicado um medicamento tipo comprimido, com o fármaco Erlotinibe (Tarceva®) ou Gefitinibe(Iressa®) para o tratamento da doença com resultados muito promissores.

Esta em estudo outros medicamentos específicos e com alvo na alteração genética como mutação em outros genes, com resultados preliminares muito promissores.

Também foram apresentados estudos sobre vacinas e estímulo da imunidade para tratar o câncer de pulmão.

Muito promissor e com muitas novidades, a 7ª edição do Congresso Latino Americano de Câncer de Pulmão o LALCA trouxe inovações sobre o tratamento da doença e esperamos que nos próximos anos possamos ter disponíveis esses medicamentos para o tratamento do câncer de pulmão.

Fontes pesquisadas:

www.abcdasaude.com.br/artigophp764

www.inca.org.br

Ministério da Saúde – Politicas em Saúde Publica

Palestras do LALCA – 2014, Lima Peru, período de 21/08/2014 a 23/08/2014.

* A Dra. Silvia Regina Graziani, CRM 56925, é Medica Oncologista Clinica, com título de especialista em Cancerologia (1992). Residência Médica: Hospital do Câncer A. C. Camargo. Mestrado e Doutorado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Médica do Instituto do Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho – IAVC, São Paulo.

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro