Artigo 77 - Alerta para a vacina H1N1 em pacientes oncológicos - Hoje São Paulo
São Paulo, SP, 19/08/2018
 
25/04/2016 - 15h39m

Artigo 77 - Alerta para a vacina H1N1 em pacientes oncológicos

Agência Hoje/Dra. Silvia Regina Graziani  

São Paulo - Este ano mais uma vez estamos vivenciando um surto epidêmico de gripe H1N1, causada pelo vírus Influenza A.

Estes surtos são mais comuns no final do outono e inverno, mas, em 2015, ele foi antecipado para os primeiros meses do ano, no alto verão com temperaturas em franca elevação.

Algumas pessoas são mais susceptíveis à infeção pelo vírus Influenza, como idosos, gestantes e crianças pequenas com até 5 anos de idade. Pacientes portadores de doenças crônicas, como diabetes, hipertensão e doenças neurológicas, e os pacientes oncológicos devem adotar cuidados especiais nesta fase de risco de contaminação.

Em primeiro lugar todos devem ser vacinados, inclusive os pacientes que estão em tratamento quimioterápico.

A ressalva é que em pessoais que estão recebendo quimioterapia devem conversar com o médico oncologista para determinar a melhor data para a vacinação, porque se estiver com a imunidade comprometida, com a queda de leucócitos devido a quimioterapia, a vacina não é recomendada, devendo aguardar a recuperação dessas células para a vacinação ter efeito de imunizar.

Outro alerta muito importante é para os pacientes que estão recebendo quimioterapia que devem evitar o contato com pessoas gripadas.

Como não há como saber se ocorrerá o contato em lugares aglomerados, estes devem ser evitados ao máximo, ou seja, fugindo de horários de pico em metrôs, elevadores, banheiros públicos e, principalmente, em sala de espera de atendimento em hospitais.

O uso de máscaras dá uma proteção muito baixa, pois a ideal para a proteção é a que possui um filtro na ponta, e esta não está disponível, sendo restrita para uso hospitalar.

Sintomas de alerta

-febre persistente por mais de 72 horas

-tosse persistente

-coriza

-dores no corpo

-espirros acompanhado de falta de ar

-dores de cabeça

-fraqueza

Esses sintomas são todos inespecíficos de um quadro gripal, sendo o maior alerta para a infecção pelo H1N1 a falta de ar progressiva.

Prevenção

A melhor prevenção é a vacina, que, para o H1N,1 é elaborada com vírus morto e pode ser dada para pacientes em tratamento quimioterápico.

A única contraindicação é a alergia a componentes do ovo de galinha, pois é feita com o embrião desses ovos.

Uma questão importante é que familiares e cuidadores de pessoas que estão em tratamento quimioterápico também sejam vacinados para evitar o contato do vírus com os pacientes em tratamento quimioterápico.

Tipos de vacinas

-No Brasil, o Ministério da Saúde distribui 2 tipos de vacinas:

-Trivalente – contém vírus morto do Influenza tipo A H3N2, Influenza tipo A H1N1, Influenza tipo B

-Tetravalente - contém vírus morto do Influenza tipo A H3N2, Influenza tipo A H1N1, Influenza tipo B de duas linhagens

Outros hábitos a serem adotados nesta fase crítica de surto:

-Lavar as mãos com água e sabão ou usar álcool gel

-Evitar locais fechados

-Manter distância de pessoas doentes

-Evitar colocar as mãos nos olhos, nariz e boca quando as colocar em locais de uso comum

-Não utilizar talheres ou outros objetos de uso pessoal

-Manter o ambiente ventilado

Tratamento

A maioria das pessoas tem evolução benigna da gripe e o quadro é autolimitado, passando como uma gripe comum. Porém algumas pessoas, principalmente do grupo de risco, acabam por evoluir com a forma agressiva da doença.

Se apresentar essa forma mais persistente com febre, dores no corpo, tosse e fraqueza procure atendimento médico o mais rápido possível. O tratamento é com um antiviral chamado Oseltamivir – nome comercial Tamiflu

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro