Artigo 89 - Relação das Vitaminas com o Câncer - Hoje São Paulo
São Paulo, SP, 19/08/2018
 
09/12/2016 - 22h07m

Artigo 89 - Relação das Vitaminas com o Câncer

Agência Hoje/Dra. Silvia Regina Graziani* 

São Paulo - Nosso corpo necessita de vitaminas e minerais para o funcionamento normal, pois esses são os ingredientes que nossas células necessitam para realizar suas funções especificas, como os músculos que nos impulsionam e as células do pâncreas, por exemplo, que produz hormônios, assim como todas as bilhões de células que funcionam o tempo inteiro para podermos viver.

As células produzem proteínas que são chamadas de enzimas e controlam todas as reações químicas do nosso DNA e uma alteração neste funcionamento pode levar a uma mutação que pode estar associada a divisão celular alterada e como consequência o desenvolvimento de um câncer.

A falta de nutrientes como vitaminas e minerais pode levar a alterações no funcionamento do nosso sistema imunológico e desta forma nos tornar vulneráveis ao desenvolvimento de tumores.

Por este motivo é fundamental termos uma dieta equilibrada para mantermos nosso sistema imunológico funcionando.

A crença da relação de que vitaminas levam a cura de doenças tem base nas ideias do cientista americano, ganhador de dois prêmios Nobel, de química em 1954 por sua contribuição com o entendimento de ligações químicas e em 1962, o prêmio Nobel da Paz, por sua atuação a nível mundial contra os testes nucleares. Linus Pauling postulou muitas teorias da associação de vitamina C e câncer, principalmente com o câncer de próstata. Ele mesmo fazia uso de 3,0 gramas de vitamina C ao dia para prevenir câncer de próstata, mas faleceu aos 93 anos, com câncer de próstata.

Porém nenhum estudo confirmou que a associação da suplementação de vitamina C e a prevenção de câncer na próstata teria algum fundamento.

Algumas doenças estão relacionadas com a deficiência de vitamina e a sua suplementação fazem com que o sintoma desapareça rapidamente, como as anemias por deficiência de vitamina B12. O uso de suplemento de vitamina B12 leva a imediata melhora dos sintomas relacionados a deficiência desta vitamina.

As vitaminas não são produzidas pelo nosso corpo, devendo ser suplementadas pela alimentação.

As vitaminas relacionadas como eficientes no combate ao câncer são:

Vitamina A – Retinol:

São antioxidantes, protegendo contra os radicais livres e, portanto, são protetores do organismo em relação ao desenvolvimento de câncer.

A fonte de vitamina A é o Betacaroteno, que quando ingerido é transformado em Vitamina A no fígado.

A ingestão de vitamina A em excesso leva a intoxicação hepática e hepatite medicamentosa, porém a ingestão excessiva de Betacaroteno não leva a este risco.

Principais fontes de Vitamina A são os vegetais amarelo-escuro e verde-escuros:

-cenoura crua, brócolis fresco, repolho, couve, batata doce, tomate.

Vitamina C – Ácido Ascórbico:

Também são antioxidantes e parece que tornam o sistema imunológico mais eficaz e agem auxiliando na cicatrização após cirurgias.

Principais fontes de Vitamina C são:

-brócolis fresco, pimentão, limão, repolho, couve-flor, tomate, laranja, tangerina, abacaxi, caju, goiaba, manga, melão.

Vitamina B 6 – Piroxina:

A vitamina B 6 é essencial para o funcionamento do sistema hematopoiético (produtor das células do sangue), na produção de células do sistema imunológico e da produção de hemácias (células do sangue que carregam o oxigênio para os tecidos)

Principais fontes de Vitamina B 6 são:

-banana, abacate, brócolis, cenoura, batata doce.

Vitamina B 9 – Ácido Fólico:

O Ácido Fólico participa de um processo muito importante do organismo que é a síntese do DNA, especula-se que pode prevenir alguns tipos de tumores e defeitos congênitos.

Principais fontes de Vitamina B 9 são:

-espinafre, feijão, abacate, laranja, morango, grão de bico, brócolis fresco, repolho, alface romana, pão integral.

Vitamina D – Calciferol:

A vitamina D é a única vitamina que pode ser sintetizada pelo nosso organismo através da ingestão pela dieta ou suplementos.

A Vitamina D foi descoberta em 1922 e denominada de D, porque foi descoberta após a Vitamina A, B e C.

No ano de 1970, se descobriu que a Vitamina D não é uma Vitamina, mas um hormônio, que é sintetizado pelo nosso organismo através da ingestão de um precursor pela dieta. Este precursor se transforma em vitamina D através da exposição ao sol (raios ultravioleta) que são capazes de sintetizar 80-90% da vitamina D necessária para o nosso organismo.

A Vitamina D tem sido cada vez mais estudada em relação a prevenção e evolução em pacientes portadores de tumores no intestino.

Essa informação foi baseada em estudos americanos, onde se observaram 460 indivíduos que utilizavam suplementação de vitamina D e que apresentaram redução no risco de desenvolvimento de doenças cardíacas, diabetes e câncer de intestino. Baseado nesses estudos os níveis de Vitamina D passaram a ser considerados um marcador de saúde, ou seja, quanto mais baixo, maior o risco de ficar doente.

A Vitamina D é um hormônio essencial para o funcionamento do corpo humano e controla alguns de nossos genes, incluindo os genes que controlam as células do sistema cardiovascular e também é necessária e fundamental no sistema ósseo e imunológico. Nos ossos a Vitamina D é necessária para a absorção do cálcio da dieta.

Pessoas com deficiência de Vitamina D aproveitam em média 30% a menos do cálcio da dieta, pois esse não pode ser absorvido e aproveitado pelo organismo.

O cálcio e fundamental para a manutenção de nossos ossos e dentes e sua deficiência leva a situações como o raquitismo na infância, e a osteoporose na idade adulta. Para se evitar a osteoporose deve-se ingerir cálcio e vitamina D, associado a exposição ao sol pelo menos 1 hora, 3 vezes por semana, o sol da manhã (até 9 horas) ou por 15 minutos no sol do meio dia e principalmente a pratica de atividade física como caminhadas ao ar livre por 1 hora, pelo menos 3 vezes por semana.

Fontes alimentares de vitamina D:

-cogumelos

-peixes gordos, como:

- Salmão (6,8% das necessidades diárias/porção de 100 gramas)

- Atum (2,2% das necessidades diárias/porção de 100 gramas)

-Sardinha (1,9% das necessidades diárias/porção de 100 gramas)

-alimentos de origem animal são fontes de Vitamina D

-ovo (0,4% das necessidades diárias/1 ovo)

- queijo cheddar (0,12% das necessidades diárias/50 gramas)

- carne bovina (0,15% das necessidades diárias/100 gramas)

Vitamina E – Tocoferol:

É também um potente antioxidante no organismo.

Fontes alimentares de vitamina E:

- amêndoas secas, avelãs, manga, maçã, banana, pera, repolho cru, cenoura crua, alface, espinafre.

Fontes pesquisadas:

- www.asco.org

-www.minhavida.com.br/alimentação

-www.cccancer.net/vitaminas - Dra. Mariangela Correa

- www.minhavida.com.br

- Lancet Diabetes Endocrinol. 2014 Jan;2(1):76-89

- Eur J Cancer. 2014 Feb 27. pii: S0959-8049(14)00124-5

* A Dra. Silvia Regina Graziani, CRM 56925, é Medica Oncologista Clinica, com título de especialista em Cancerologia (1992). Residência Médica: Hospital do Câncer A. C. Camargo. Mestrado e Doutorado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Médica do Instituto do Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho – IAVC, São Paulo.

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro