São Paulo, SP, 27/04/2017
 
04/03/2017 - 13h17m

Artigo 93 - Dieta e Câncer. Entenda como alimentação influencia

Agência Hoje/Dra. Silvia Regina Graziani* 

Dieta e Câncer: Entenda como a alimentação pode influenciar no desenvolvimento de alguns tipos de tumores

São Paulo - Alguns tipos de tumores malignos como os do intestino, da próstata e da mama feminina são muito frequentes em países desenvolvidos e por outro lado os tumores de estômago, esôfago e colo do útero são mais frequentes nos países em desenvolvimento.

Este fato chama a atenção em relação a fatores em comum como a dieta que pode influenciar no desenvolvimento desses tipos específicos de câncer.

Se acredita que 35% dos tumores são decorrentes de dietas inadequadas e esta afirmação esta baseada no aumento da incidência de determinados tipos de tumores em regiões específicas do planeta.

Outros fatores que influenciam no desenvolvimento do câncer e já estão bem estabelecidos como o tabagismo, a obesidade, a falta de atividade física regular e a exposição a determinados agentes infectantes como os vírus: Papiloma Vírus Humano (HVP) no câncer do colo do útero, Vírus da Hepatite B – no Hepatocarcinoma, algumas bactérias como Helicobacter Pilori nos Linfomas gástricos, e alguns parasitas que causam tumores em áreas específicas da África.

Tambem com base neste aspecto temos que considerar o contato com substância potencialmente cancerígenas como o carvão e o amianto, que causam um tipo raro de câncer na pleura – o Mesotelioma.

O comitê de peritos do World Cancer Research Fund registra medidas que podem interferir nesta evolução como:

-aumento da atividade física

-manutenção do corpo corporal adequado

-não fumar

-Dieta saudável

Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde) essas medidas podem evitar 70% do desenvolvimento dos tumores, principalmente nos centros urbanos onde a incidência de tumores tem aumentado de forma significativa.

O centro urbano tem como característica o aumento do consumo de alimentos industrializados, redução da atividade física e mudanças no comportamento reprodutivo nas mulheres por exemplo, que optam por ter menor número de filhos e postergam a idade da maternidade.

Outro fato a se observar da influência da dieta no desenvolvimento do câncer é a incidência de determinados tipos de tumores em um determinado local e a redução da incidência deste tipo de câncer quando há migração para outro local.

É o caso dos japoneses que migram para viver na América, onde a incidência de câncer de estômago cai e aumenta a incidência de tumores mais frequentes nas Américas como câncer no intestino e próstata.

Um breve histórico da incidência do Câncer no mundo:

Há registros de médicos no Egito na data de 3000 a.C.(antes da era Cristã) de doenças compatíveis com câncer.

Hipócrates em 377 a.C. também descreveu enfermidades como câncer de mama, útero, estômago, intestino e pulmão.

Mas na história da medicina o câncer como causa de morte só aparece na Europa no século XVIII, e foi progressivamente aumentado a incidência, tendo um pico muito alto de incidência no século XIX com a industrialização.

Acompanhar este fato nos ajuda a compreender como os fatores do meio ambiente e as atitudes da sociedade urbanizada influenciaram no aumento da incidência do câncer.

Segundo a OMS a distribuição de morte por câncer difere muito dos diferentes continentes do mundo.

Entre os anos de 1960 a 2000 tivemos um aumento de 15% para 25% da mortalidade nos países desenvolvidos. Já nos países em desenvolvimento tivemos taxas:

6% em 1985, 9% em 1997, 5,4 milhões em 2000 e 9,3 milhões de pessoas mortas por câncer em 2020.

No Brasil:

Em mulheres:

Câncer de mama e colo uterino – aumentaram muito a incidência nos centros urbanos e agravados pela dificuldade de acesso ao Sistema de Saúde, que com a sobrecarga de atendimento acaba por não diagnosticar lesões precoces que aumentam as chances de cura nesses dois tipos de tumores.

Câncer de pulmão – aumentou muito a incidência em todo o mundo após a industrialização e o habito de fumar.

Campanhas antitabagismo extremamente eficientes, como a veiculada no Brasil deverão ter impacto positivo em alguns anos com a queda da incidência deste tumor.

Câncer de estômago – ainda é bastante incidente no Brasil, mas aqui também observamos a redução da incidência em imigrantes japoneses que migraram após a primeira guerra mundial.

A incidência é bem menor nesses imigrantes, quando comparados com os japoneses da mesma idade que vivem no Japão.

Câncer de intestino – são frequentes em ambos os sexos e mais incidentes nas regiões Sul e Sudeste.

Alimentos como fator de risco e Prevenção do Câncer:

É muito difícil se estabelecer a relação do alimento ingerido durante um longo período da vida e o desenvolvimento do câncer, mas evidencias levam a crer que haja uma correlação muito próxima entre habito alimentar e local do desenvolvimento do câncer, não como fator único, mas que possa contribuir para este fato:

Fontes:

-Revista de Nutrição vol. 17, nª 4, Campinas, 2014(vesão on line)

-Nutrition for the person with câncer. A guide for patients and families. American Cancer Society.

-Oncology Nutrition, American Dietetic Association.

-Eating Hints for Cancer Patrients, before, during and after treatment. National Institutes of Health

-www.inca.org.br

-www.napacan.org.br

-www.accamargo.org.br

* A Dra. Silvia Regina Graziani, CRM 56925, é Medica Oncologista Clinica, com título de especialista em Cancerologia (1992). Residência Médica: Hospital do Câncer A. C. Camargo. Mestrado e Doutorado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Médica do Instituto do Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho – IAVC, São Paulo.

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro