São Paulo, SP, 15/11/2019
 
28/02/2012 - 02h57m

Assistência Social adota campanha "Dar Esmola Não Ajuda"

PMRP/Roberto Galhardo 

Começou nesta segunda-feira, dia 27 de fevereiro, e vai até o final da semana, dia 2 de março, uma intensificação da campanha “Dar Esmolas Não Ajuda”, com os comerciantes da avenida Brasil e avenida da Saudade, em Ribeirão Preto. As equipes da Secretaria de Assistência Social percorrem aquelas avenidas para conscientizar os comerciantes sobre os malefícios da esmola. Esta ação foi solicitada pelos próprios comerciantes.

Ao contrário do que se pensa, dar esmolas não colabora para melhorar a qualidade de vida de quem as pede, e sim estimula a permanência dessas pessoas na situação de dependência das ruas, que muitas vezes usam drogas, bebidas alcoólicas, o que as afastam ainda mais da família, comprometendo o vínculo familiar.

“Ribeirão Preto está caminhando para esse discernimento”, afirmou a secretária de Assistência Social, Maria Sodré. “Percebemos que o comportamento das pessoas que davam esmolas nas ruas já mudou. Hoje as pessoas estão ligando mais para o 161 – telefone de denúncia – para que a Assistência Social possa prestar o atendimento às pessoas em situação de rua. Porém, esperamos que os comerciantes da cidade também se envolvam, mudando definitivamente a forma de agir, aderindo ao nosso apelo. A primeira ação será na Avenida Brasil e Avenida Saudade, mas iremos ampliar o programa para outros pontos estratégicos da cidade”, afirmou.

Rosi Gregoldo, secretária na RPM, peças para tratores, agradeceu as informações prestadas pelas equipes da Semas

“Eu sou contra a esmola. Esta campanha é muito importante. A Prefeitura está de parabéns”, declarou Eurípedes Honorato, vendedor da empresa Brasil Câmbio.

“Obrigada pela orientação. Muitos moradores vivem por aqui e, com o esclarecimento vindo de vocês vamos poder ajudá-los de fato”, disse Rosi Gregoldo, da empresa RPM, peças para tratores.

Ainda segundo a secretária Maria Sodré, a realidade do trabalho da assistência social vai muito além da esmola. A proposta é atender cada morador, o porquê dele estar ali, e propor a ele uma saída, na tentativa inclusive de resgatar a convivência familiar. “O trabalho de resgate do ser humano é árduo, mas não deve deixar de ser feito jamais, pois se não chegarmos perto dessas pessoas, se não propormos uma nova situação, nunca vamos saber se podemos fazer ou não algo por ela e ajudá-la a voltar à vida em sociedade.

"Para fazer esse trabalho é preciso que as pessoas não deem qualquer tipo de esmolas em qualquer situação, seja ela qual for. Nosso objetivo é que todos colaborem nessa corrente de fazer valer o serviço da assistência social por meio do telefone 161, ajudando a fazer Ribeirão Preto uma cidade melhor e com atendimento efetivo voltado a essas pessoas”, finalizou a secretária.

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro