São Paulo, SP, 27/06/2019
 
13/08/2014 - 14h47m

Biografia: confira a trajetória e carreira de Eduardo Campos

Agência Hoje 
Reprodução
O candidato à Presidência da República morreu em acidente aéreo em Santos, São Paulo
O candidato à Presidência da República morreu em acidente aéreo em Santos, São Paulo

São Paulo - (Agência Hoje/Pesquisa/Beatriz Galvão) Natural de Recife, Eduardo Henrique Accioly Campos, nasceu em 10 de agosto de 1965, filho da advogada e deputada Ana Arraes e do escritor Maximiano Accioly Campos.

Formou-se em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco, onde começou a atuar na militância política, como presidente do Diretório Acadêmico em 1985.

Em 1986, trocou a possibilidade de um mestrado nos EUA pela participação na campanha que levou seu avô, Miguel Arraes de volta ao Palácio das Princesas, sendo eleito pelo PMDB. Em 1987 é nomeado chefe do gabinete do Governador Miguel Arraes.

Participou diretamente da criação da primeira Secretaria de Ciências e Tecnologia do Nordeste e da primeira Fundação de Amparo à Pesquisa da Região (FACEPE)

Em 1990, filiou-se ao Partido Socialista Brasileiro (PSB), pelo qual foi eleito deputado estadual, por Pernambuco, conquistando seu primeiro mandato.

Na Assembleia Legislativa de Pernambuco, foi líder e um dos mais destacados parlamentares da bancada de oposição. Ganhou o "Prêmio Leão do Norte", entregue pela Assembléia Legislativa aos parlamentares com atuação mais relevante.

Chegou ao Congresso Nacional em 1994, eleito com 133 mil votos. No ano seguinte, foi secretário do governo. Em 1996 passou a exercer o cargo de secretário da Fazenda, onde criou a vitoriosa campanha Todos com a Nota, que deu grande impulso à cultura e ao futebol pernambucano e ainda elevou a arrecadação de tributos no Estado para níveis jamais alcançados.

Foi reeleito em 1998 para a Câmara Federal, como deputado mais votado de Pernambuco, com 173.657 votos. Seu terceiro mandato como deputado federal veio em 2002, quando se tornou um dos principais articuladores do governo Lula, sendo considerado um dos 100 parlamentares mais influentes do Congresso.

No ano seguinte, tornou-se ministro da Ciência e Tecnologia onde tomou iniciativas que repercutiram até no plano internacional, como a articulação e aprovação do programa de Biossegurança, que permite a utilização de células-tronco embrionárias para fins de pesquisa. Também conseguiu unanimidade no Congresso para aprovar a Lei de Inovação Tecnológica, resultando no marco regulatório entre empresas, universidades e instituições de pesquisa.

Em 2005, assumiu a presidência nacional de seu partido (PSB). No início de 2006, se licenciou do cargo para concorrer ao governo do Estado de Pernambuco, pela Frente Popular de Pernambuco, sendo eleito com 65% dos votos. Ele foi reeleito com 82,84% dos votos nas eleições de 2010.

Eduardo Campos fez seu programa de governo com a construção de 3 hospitais, 14 Unidades de Pronto Atendimento (UPAS) e 13 escolas técnicas em todas as regiões do Estado. Lançou o programa de segurança, Pacto pela Vida, que reduziu os índices de criminalidade do Estado. Com a ampliação do porto de SUAPE e a construção do Estaleiro Atlântico Sul, a economia do Estado apresentou índices de crescimento econômico superiores aos do Brasil.

Eduardo foi também autor de vários projetos de lei. Entre eles, o que prevê um diferencial no FPM (Fundo de Participação dos Municípios) para as cidades brasileiras que possuem acervo tombado pelo IPHAN (Instituto de Patrimônio Artístico Nacional); o do uso dos recursos do FGTS para pagamento de curso superior do trabalhador e seus dependentes; o que tipifica o sequestro relâmpago como crime no código penal; e o da Responsabilidade Social, que exige do Governo a publicação do mapa de exclusão social, afirmando seu compromisso com os mais carentes.

Eduardo Henrique Accioly Campos era casado com Renata de Andrade Lima Campos. O casal teve cinco filhos, Maria Eduarda, João, Pedro e José Henrique e Miguel.

O presidenciável Eduardo Campos, de 49 anos, faleceu na manhã do dia 13 de agosto de 2014, em acidente aéreo na cidade de Santos, São Paulo, mesma data de falecimento de seu avô, Miguel Arraes, em 13 de agosto de 2005, que morreu devido a infecções pulmonares e complicações renais.

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro