São Paulo, SP, 17/09/2019
 
22/06/2015 - 11h46m

Bruno Caboclo, brasileiro que com 19 anos já joga pela NBA

Portal EBC/Igor Santos 
Reprodução
Em junho de 2014, o atleta foi escolhido pelo Toronto Raptors
Em junho de 2014, o atleta foi escolhido pelo Toronto Raptors

Brasília - Depois de Tiago Splitter no ano passado, nesta temporada tem mais um brasileiro campeão da NBA, a liga de basquete dos Estados Unidos. Na final, o Golden State Warriors, de Leandrinho, enfrenta o Cleveland Cavaliers, de Anderson Varejão, que não vai jogar porque está machucado. A série começou na última quinta-feira (18).

E quem vai acompanhar tudo desta final, sonhando em um dia estar lá, é o paulista Bruno Caboclo. Ele acabou de encerrar sua primeira temporada na liga, jogando pelo Toronto Raptors.

Bruno, atualmente com 19 anos, jogava no time do Pinheiros (SP), na liga de desenvolvimento do basquete do Brasil, e agora mora na maior cidade do Canadá, é visto por fãs da modalidade no mundo inteiro e joga pela NBA. Em junho de 2014, o atleta foi escolhido pelo Toronto Raptors, e despertou a curiosidade entre os canadenses que queriam conhecer o menino de 2m06 de altura e braços longos.

No começo, Caboclo teve dificuldades com a língua, principalmente nas entrevistas com a imprensa, e agora faz 12 horas de aulas de inglês, por semana. A primeira temporado do atleta foi mais de aprendizado, ele jogou pouco, só 24 minutos em oito jogos, mas guarda boas lembranças: na primeira partida fez oito pontos contra o Milwaukee Bucks e levantou a torcida, que chamou pelo nome de Bruno.

Ele vai continuar treinando para a próxima temporada, já que a qualquer momento pode entrar em quadra.

Apesar de estar no Canadá, Bruno não tira os olhos do Brasil. Ele ainda não teve espaço na seleção brasileira de basquetebol, mas por conta das Olimpíadas 2016, Caboclo está de olho em uma vaga para representar o Brasil e revela outro sonho: ser campeão pela NBA.

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro