São Paulo, SP, 21/10/2018
 
29/07/2014 - 11h08m

Conheça um pouco de Cunha e suas centenárias rotas na Mata Atlântica

Agência Hoje/Gabriel Grunewald 
Reprodução
Parque Nacional Serra da Bocaina
Parque Nacional Serra da Bocaina
  • O Drão Restaurante e Ateliê foi inspirado nos "eetcafe" holandeses, uma espécie de bistrô típico da região dos países baixos a casa com o nome de uma música de Gilberto Gil
  • Filé ao Porto servido pelo restaurante Quebra Cangalha
  • Parque Estadual Serra do Mar
  • Pousada Cheiro de Terra
  • Pousada dos Girassóis

São Paulo - Cunha durante muito tempo foi o último ponto de parada na rota dos tropeiros que seguiam a Estrada Real antes de chegar ao antigamente muito utilizado porto de Paraty. A cidade a 45 km do porto ainda mantém muito das belezas naturais da época colonial. O município atualmente é famoso por conservar a maior reserva de Mata Atlântica do país.

Em suas terras se encontram dezenas de cachoeiras, milhares de nascentes, riachos que correm sobre pedras e uma vegetação abundante e rica em ipês, manacás, quaresmeiras, sibipirunas em um mundo de árvores floridas que abundam na Mata Atlântica.

Além das riquezas naturais Cunha é um importante pólo de produção de cerâmica na América do Sul. Tudo começou em 1970 quando se instalaram naquela região alguns ceramistas japoneses que trouxeram para o Brasil uma técnica milenar, conhecida popularmente como Noborigama.

O Noborigama é o nome dado aos fornos de tijolos refratários de altíssima temperatura que podem chegar até 1400 graus. Os efeitos coloridos e manchados que o intenso calor causa nos vasos, pratos, luminárias e esculturas é incerto até mesmo para os artesões, sendo cada peça uma agradável surpresa quando se abrem as portas dos fornos Noborigama.

O segredo dessa arte milenar passou de pai para filho, e hoje os arredores de Cunha tem cinco ateliês em funcionamento, um número que não se encontra nem no Japão.

Na década passada outros ceramistas se fixaram em Cunha, fazendo com que hoje a cidade tenha mais de 20 ateliês dos mais diferentes estilos. Toda essa diversidade e requinte em seu artesanato fazem a cidade ser o destino de milhares de turistas que vem anualmente para conhecer sua arte.

A cidade ainda conta com uma completa rede hoteleira que possibilita ao visitante se hospedar e comer muito bem. São mais de 40 pousadas com os mais variados tipos de acomodação.

Os restaurantes também se adéquam a qualquer perfil, servindo desde a típica comida caipira com influências da cozinha mineira até mesmo pratos holandeses, além de fondues ou receitas à base de trutas, pinhão e cogumelos shiitake, dos quais a região é grande produtora.

Outro atrativo, que está em falta nas grandes cidades, é o sossego. A pacata cidade não tem um único semáforo, parece abstração, mas se alguém parar o carro para dar um recado a algum amigo, o veículo de trás espera pacientemente. Para quem vive em grandes metrópoles parece coisa de outro mundo, porém em Cunha isso acontece frequentemente.

Com o céu azul e respirando ar puro, o visitante pode fazer seus passeios às cachoeiras, ao Parque Estadual da Mata Atlântica ou à Pedra da Marcela, de onde se avistam 180 quilômetros de litoral.

Porém, há ressalvas, e o visitante deve tomar um único cuidado. Se esforçar para não querer trocar o caos e o trânsito das grandes cidades pela serena e florida Cunha. Caso o visitante tenha dificuldades – o que é muito comum. Não se preocupe, Cunha estará sempre lá de braços abertos, na rota dos bons viajantes no meio da Mata Atlântica e bem perto de São Paulo e Rio de Janeiro.

Cunha – um pouco de história

O povoado que surgiu por ser ponto de parada de tropeiros que vinham em trilhas feitas por escravos, teve grande desenvolvimento no século XVIII auge da época do ouro. Devido à grande movimentação de tropas que traziam o ouro de Minas para ser mandado para Portugal esse pequeno povoado foi elevado à categoria de Vila.

Quando a produção de Ouro no Brasil já estava rareando, as trilhas feitas por escravos foram renovadas, levando para o porto de Paraty invés de ouro o café - o negro ouro do século XIX. Por meio desse novo ciclo econômico a região teve uma nova época de ampliação, tornando-se um importante pólo da economia cafeeira.

Com os avanços propiciados pelo café a antiga Vila de Nossa Senhora da Conceição de Cunha alçou em 1858 a categoria da cidade. Porém com a decrescente venda de café a jovem cidade perdeu proporcionalmente sua importância na economia do país.

Até que a atividade cafeicultura cessou permanentemente e Cunha acabou tendo um relativo isolamento. Muitos moradores acreditam que esse afastamento dos caminhos econômicos foi a principal causa para que a região conservasse sua exuberante natureza, ar pacato e suas centenárias tradições.

Ao passar do século XX a fama e a satisfação dos seus visitantes fez com que em 1948, a cidade ganhasse do Governo Estadual o status de Estância Climática. Título que simboliza seu caminho de evolução no decorrer dos séculos, sem esquecer-se de seu passado e respeito com a natureza.

Caso os visitantes desejem, as antigas trilhas feitas por escravos no século XVIII e refeitas na época do café estão lá até hoje, mostrando um pouco de sua história e qual foi o caminho que a cidade tomou para ser uma das mais queridas e importantes cidades históricas de São Paulo.

ATRAÇÕES

Atelier de Cerâmica Suenega & Jardineiro

No Atelier SJ de três em três dias são abertos ao público os fornos de alta temperatura que através de suas chamas pintam as resistentes peças de cerâmica. Quando as portas se abrem é sempre um momento muito bonito de júbilo e encantamento. O casal Kimika e Gilberto, donos do atelier, aos finais de semana propiciam uma roda de conversa com os visitantes, contando um pouco dessa arte e dividindo conosco a sua história.

Parque Estadual Serra do Mar

Criado em 1997 com o intuito de proteger a Mata Atlântica, ele ocupa uma área que abrange diversas cidades e tem ao todo 140 quilômetros quadrados. O núcleo do parque construído em Cunha conta com monitores que guiam pelas suas três principais trilhas: Rio Paraíbuna, das Cachoeiras e Rio Bonito, as trilhas vão do nível fácil ao difícil, garantindo a todos um consciente encontro com a natureza.

Parque Nacional da Serra da Bocaina

O parque se localiza ao lado das duas maiores metrópoles do Brasil, Rio de Janeiro e São Paulo em uma área de mais de 110 mil hectares e se estende por mais de seis cidades. Criado nos anos 70 para a prevenção de acidentes nucleares nas usinas de Angra, o parque que teve uma criação incomum é um dos mais ricos e completos da região. Famoso pelas suas trilhas, cachoeiras e natureza exuberante.

Pedra da Marcela

A pedra da Marcela está num pico de mais de 1.840 metros de altitude. A deslumbrante visão possibilita avistar Paraty, Angra dos Reis, a baía da Ilha Grande e toda a região que circunda Cunha. O local não usufrui de infraestrutura de visitação, mas ao estacionar o carro são apenas dois quilômetros de caminhada, e tenha certeza, a paisagem vista de tão alto compensa cada passo.

Trilha do Ouro

Um dos passeios mais legais do Parque Nacional da Serra da Bocaina. A trilha do ouro é um percurso feito inicialmente no século XVII por escravos para escoar a produção de ouro e pedras preciosas. A trilha serpenteia desde o topo da Serra da Bocaina até bem próximo do mar, são centenas de quilômetros que fazem viajar no tempo por esse percurso que remonta a formação histórica brasileira.

ONDE FICAR:

Pousada Cheiro da Terra

Localizada numa área de mais de 20 mil metros, cercada de muito verde e distante apenas 1,5 quilometro de Cunha essa é uma ótima opção para férias tranqüilas. A diária incluí café da manhã e a pousada possui a infraestrutura completa para uma boa estadia, piscina com hidromassagem, sauna, wireless, bistrô e até mesmo um simpático atelier de cerâmica onde o hospede pode fazer sua própria pintura artística.

Pousada dos Girassóis

A pousada é famosa pelo seu belo pomar com cerca de 500 árvores e mais de 60 frutas diferentes, e claro as flores da região que alegram o ambiente. O estabelecimento conta com dois tipos de chalés: VIP (com frigobar e aquecimento a gás) e MASTER (cama king-size, frigobar, TV, aquecimento a gás e varanda com vista do lago) isso tudo integrado a uma eficaz estrutura hoteleira, que garante conforto ao hospede.

Pousada Candeias

A pousada ganhou esse nome pela quantidade de árvores que rodeiam sua propriedade, a principal delas é a Candeia, símbolo das zonas temperadas. Para curtir o tempo de Cunha com muita comodidade a pousada conta com apenas 8 chalés. Proporcionando uma estádia única marcada pela conveniência de sua completa estrutura de lazer que conta com cafés da manhã inclusos, piscina e muito verde

ONDE COMER:

Restaurante Quebra Cangalha

O tradicional restaurante iniciou suas atividades em 1996 sempre tentando valorizar a arte e os produtos típicos da região de Cunha. Introduzindo em seu cardápio ingredientes como o shiitake, truta, pinhão e amora. Não deixe de provar o Filé ao Porto com batatas noisette e o excelente Filé de truta ao molho de laranja que são as duas especialidades da confortável casa que conta com mais de três ambientes.

Villa Favorita

A cozinha do restaurante é inspirada nas delícias da Toscana, região centro norte da Itália. Todas as massas e os pães são feitas lá mesmo, dando mais sabor as delicadas preparações do chef Ernani Tedeschi. Não deixe de provar o tão falado polpetone recheado com muita mussarela, é uma delícia artesanal que vem em fartas porções e com muito recheio.

Drão Restaurante e Ateliê

Inspirado nos “eetcafe” holandeses, uma espécie de bistrô típico da região dos países baixos a casa com o nome de uma música de Gilberto Gil se notabiliza pela proposta exclusiva de mesclar a arte de comer com o profícuo artesanato local. Desde 2002 o proprietário e pintor de telas Gerwin oferece comidas de fina qualidade a um justíssimo preço enriquecendo as refeições com a arte que pinta todo o restaurante.

SERVIÇOS:

Atelier de Cerâmica Suenaga & Jardineiro

Endereço: R. Dr. Paulo J da Silva, 150, Mantiqueira, Estância Climática de Cunha

Telefone: (12) 3111-1530

Horário de Funcionamento: Todos os dias das 9h às 18h

Site: http://www.ateliesj.com.br/

 

Parque Estadual Serra do Mar

Como Chegar: Rodovia SP 171 (Guaratinguetá- Divisa de Estado) até o km 56,2. Entrar na Estrada do Paraibuna e seguir por 20 km.

Telefone: (12) 3111 1818 ou (12) 3111 2353

Horário de Funcionamento: Todos os dias das 8h às 17h

Site: http://www.ambiente.sp.gov.br/parque-serra-do-mar-nucleo-cunha/

 

Parque Nacional da Serra da Bocaina

Como chegar: Acesso feito pela Rodovia Presidente Dutra, entrando na cidade de Queluz-SP. Depois para São José do Barreiro, num percurso de 35 quilômetros de estrada asfaltada. De São José do Barreiro são mais 27 quilômetros pela SP-221 até a entrada do parque

 

Pedra da Macela

Como chegar: Percorrer a Rodovia Cunha – Paraty até o km 66, sair à esquerda e após 5 km chega-se à porteira que dá acesso à caminhada até o pico. São 2 km de subida íngreme, a pé, em estrada asfaltada.

Pousada Cheiro da Terra

Endereço: Alameda Francisco da Cunha Menezes, 1245, Cunha

Telefone: (12) 3111 – 2822

Email: contato@pousadacheirodaterra.com.br

Site: http://www.pousadacheirodaterra.com.br/

 

Pousada dos Girassóis

Rodóvia Cunha - Campos, Km 05, Campo Novos – Cunha

Telefones: (12) 3111-1426 e (12) 9658-7472

Email: atendimento@pousadadosgirassois.com

Site: http://www.pousadadosgirassois.com/

 

Pousada Candeias

Endereço: Estrada do Campo Alegre, KM 1,1, Cunha

Telefone: (12) 3111.2775 e (12) 9603.5892

Email: contato@pousadacandeias.com.br

Site: http://www.pousadacandeias.com.br

 

Restaurante Quebra Cangalha

Endereço: Rua Manuel Prudente de Toledo, 540 – Cunha

Telefone: (12) 3111-2391

Horário de Funcionamento: Segunda a Quarta das 12h às 17h. Quinta a Domingo das 12h as 22h

Cartões de Crédito e Débito: Aceita todos.

Preço: de R$ 29 a R$ 60

Site: http://www.quebracangalha.com.br/

Especialidades

- Pernil de cordeiro ao alecrim com purê de maçã

- Posta de badejo com purê de maçã e aspargos frescos

- Leitoa à pururuca com couve

- Filé de truta ao molho de laranja

- Filé ao Porto com Batatas Noisette

- Camarão rosa com musseline de pinhão

 

Villa Favorita

Endereço: Estrada Cunha Paraty Km 65, 2, Cunha

Telefone: (11) 3957-0669

Horário de Funcionamento: Sexta a Domingo das 12h às 17h

Preço: De R$ 26 a R$ 50

Especialidades

- Pancetta

- Guancia

-Amatriciana

-Gricia

-Ragù di Salsiccia Cacio e Pepe

-Funghi Porcini

- Mare e Monti

- Boscaiola e Polpetta

-Bruschetta

- Risoto

 

Drão Restaurante e Ateliê

Endereço: Alameda Lavapés 560 Vila Rica, Cunha

Telefone: (12) 3111-1326

Preço de R$ 33 a R$ 45

Horário de Funcionamento: Quinta a Domingo das 19h às 22h

Não aceita cartões

Especialidades

Entradas

- Bitterbal com mostarda escura

- Caldo ou Creme do dia

- Salada da Terra

Pratos principais

- Truta ao molho de Amêndoas

- Risoto com Pera, Gorgonzola e Amêndoas

- Lasanha de Abobrinha ao molho de tomate

Sobremesas

- Doce de Abóbora com Sorvete e raspas de Limão

- Banana gratinada no Chocolate com Sorvete

- Peras em calda com Sorvete e calda de Chocolate

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro