São Paulo, SP, 20/06/2019
 
12/11/2015 - 11h47m

Conselho de Ética abre processo contra líder do Psol, Chico Alencar

Agência Brasil 
Reprodução
Para Chico Alencar, a representação não passa de vingança pelo processo contra Eduardo Cunha
Para Chico Alencar, a representação não passa de vingança pelo processo contra Eduardo Cunha

Brasília - O Conselho de Ética da Câmara dos Deputados abriu processo contra o líder do Psol, Chico Alencar (RJ). O pedido de cassação de Alencar foi apresentado pelo Solidariedade sob os argumentos de suposto uso de notas frias para comprovar gastos de sua cota parlamentar e de suposta irregularidade em doações à sua campanha eleitoral.

Chico Alencar antecipou a sua defesa no conselho para, segundo ele, mostrar a correção das doações e o arquivamento do procedimento do Ministério Público que investigou o uso das notas.

O deputado informou que observou, na representação do Solidariedade, "25 mentiras, falsidades, afirmações enganosas e impropriedades".

Ele afirmou ter orgulho da colaboração de sete servidores do seu gabinete, que fizeram doações voluntárias, dentro dos limites permitidos pela Justiça Eleitoral.

Segundo o líder do Psol, a representação contra ele não passa de tentativa de vingança diante do processo de cassação que o partido e a Rede Sustentabilidade movem contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), com base em supostas contas secretas na Suíça e em delações da Operação Lava Jato.

Na mesma sessão, o Conselho de Ética formalizou a entrada, como titular do colegiado, do presidente do Solidariedade, deputado Paulo Pereira da Silva (SP), em substituição a Wladimir Costa (SD-PA), que renunciou por motivo de saúde. Ele afirmou que a representação contra Alencar será uma "oportunidade de esclarecimento" para o líder do Psol.

* Com informações da Agência Câmara

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro