São Paulo, SP, 23/09/2019
 
07/05/2012 - 17h52m

Coronel Pantoja, da PM do Pará, preso por ordem judicial, já está na Penitenciária

Folhapress/Aguirre Talento 
Agência Brasil/Arquivo/Antonio Cruz
Em 14 de abril de 2011 a Câmara Federal realizou Seminário sobre os 14 anos de impunidade do crime em Eldorado dos Carajás
Em 14 de abril de 2011 a Câmara Federal realizou Seminário sobre os 14 anos de impunidade do crime em Eldorado dos Carajás

BELÉM, PA (Folhapress) - O coronel da PM Manoel Colares Pantoja, um dos dois condenados pelo massacre em Eldorado dos Carajás (PA), em abril de 1996, foi preso na tarde de hoje e já está em uma penitenciária em Santa Isabel do Pará (a 47 quilômetros de Belém).

A Justiça do Pará expediu hoje mandados de prisão contra os dois policiais militares condenados pelo massacre, que resultou em 21 sem-terra mortos (19 no conflito e dois feridos que morreram posteriormente).

Eles recorriam da condenação em liberdade, graças a um recurso no STF (Supremo Tribunal Federal). As possibilidades de recorrer em liberdade se esgotaram e o processo foi devolvido à Justiça do Pará, que determinou a prisão.

O coronel Manoel Colares Pantoja e o major José Maria Pereira de Oliveira foram condenados a, respectivamente, 228 anos de prisão e 158 anos e quatro meses.

A prisão deles era uma reivindicação dos movimentos de trabalhadores sem-terra. O massacre de Eldorado dos Carajás (a 770 km de Belém) é lembrado todos os anos por esses movimentos por meio do "Abril Vermelho".

A defesa de Oliveira afirmou que ele deverá se entregar amanhã. Os advogados afirmam que eles não foram responsáveis por ordenar o massacre e que as investigações sobre o caso não foram aprofundadas.

O massacre ocorreu quando manifestantes sem-terra faziam um protesto pela desapropriação de uma fazenda no sudeste do Pará.

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro