São Paulo, SP, 13/10/2019
 
02/06/2016 - 11h14m

CPI do Carf ouve Cristina Mautoni, suspeita de pagar propina para aprovação de MP

Agência Brasil/Pedro Peduzzi 

Brasília - Respaldada por um habeas corpus, a sócia da empresa Marcondes e Mautoni Empreendimentos, Cristina Mautoni Marcondes Machado, informou que por orientação de seu advogado permanecerá em silêncio durante o depoimento que presta na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf).

Cristina é esposa e sócia de Mauro Marcondes Machado na empresa Marcondes & Mautoni (M&M), acusada de atuar ilegalmente em favor da aprovação da reedição da Medida Provisória 471/2009, que prorrogou incentivos fiscais concedidos em 1997, durante o governo Fernando Henrique Cardoso, a indústrias dos setores automobilístico e de autopeças. A Polícia Federal investiga, por meio da Operação Zelotes, a ocorrência de ilegalidades em meio a lobbies que, supostamente, foram feitos visando à reedição do texto.

As suspeitas são de que a empresa LFT Marketing Esportivo, do filho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Luís Cláudio Lula da Silva, teria sido beneficiada a partir da prestação de serviços à M&M.

Na primeira leva de questionamentos, o deputado Izalci (PSDB-DF) perguntou se Cristina alguma vez se encontrou com o ex-secretário geral da Presidência da República Gilberto Carvalho. Apesar de, em um primeiro momento, ela ter dito que não, logo em seguida voltou atrás e disse que por orientação do advogado permaneceria em silêncio.

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro