São Paulo, SP, 19/06/2019
 
03/05/2016 - 10h32m

Crescimento da China e do Japão diminuirá de forma acentuada

Agência Lusa 
Divulgação
FMI alertou, no entanto, para vários desafios externos, como o enfraquecimento das economias desenvolvidas
FMI alertou, no entanto, para vários desafios externos, como o enfraquecimento das economias desenvolvidas

Hong Kong - As economias da China e do Japão devem desacelerar de forma acentuada nos próximos dois anos, mas o crescimento da Ásia vai continuar forte, com a procura doméstica a compensar o fraco comércio global, informou nesta terça-feira (3) o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Medidas de estímulo governamentais, a descida do preço das matérias-primas e o desemprego reduzido vão ajudar a expansão regional, acrescentou FMI, incentivando os líderes nacionais a avançarem com reformas.

O fundo alertou, no entanto, para vários desafios externos, como o enfraquecimento das economias desenvolvidas e do comércio global e o aumento da volatilidade dos mercados financeiros globais.

Desde a última análise sobre a região, em outubro, os mercados globais revelaram-se mais voláteis e a preocupação com a economia chinesa e a queda dos preços do petróleo tiveram impacto nas ações em janeiro e fevereiro, que desvalorizaram em bilhões de dólares. Apesar de uma ligeira recuperação desde março, os investidores continuam reticentes.

“A Ásia continua a ser a parte mais dinâmica da economia global, mas enfrenta severas adversidades devido à lenta recuperação global, ao fraco comércio global e ao impacto em curto prazo da transição de crescimento da China”, disse o FMI.

Ainda segundo o fundo, para fortalecer a resistência aos riscos globais e continuar a ser uma fonte de dinamismo, os dirigentes da região devem avançar com reformas estruturais para aumentar a produtividade e criar espaço fiscal, ao mesmo tempo em que apoiam a procura.

O FMI havia estimado que o crescimento da Ásia fosse de 5,3% este ano e no próximo, menos que a estimativa anterior de 5,4%.

A economia da China, a segunda maior do mundo e impulsionadora do crescimento global, deve crescer 6,5% este ano e 6,2% em 2017.

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro