São Paulo, SP, 17/09/2019
 
16/09/2014 - 22h17m

Dilma cai 3 pontos na pesquisa Ibope, Marina fica estável e Aécio passa de 15% para 19%

Agência Hoje 
Arquivo
Animada com os últimos números do Ibope, Marina promete mais avanços nas próximas semanas
Animada com os últimos números do Ibope, Marina promete mais avanços nas próximas semanas

São Paulo (Agência Hoje) - A candidata Dilma Rousseff, do PT, caiu três pontos percentuais na pesquisa realizada pelo Ibope e divulgada nesta terça-feira, 16. Marina Silva, do PSB, caiu um ponto e ficou com 30%, o que representa empate técnico entre as duas. Aécio Neves subiu quatro pontos e passou de 15% para 19%.

A pesquisa mostra uma tendência de queda da atual presidente da República, apesar dos fortes ataques feitos contra a sua principal adversária, Marina Silva nos últimos 10 dias. A pesquisa anterior, encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) ao Ibope, mostrava Dilma com 39% das intenções de voto, seguida por Marina, com 31% e Aécio, com 15%.

Analistas políticos consideram que esta pesquisa serve para confirmar que Marina Silva não representa apenas uma "onda" passageira na política e que está se tornando uma candidata com chances reais de vencer as eleições. Todos consideraram que ela absorveu bem os ataques recebidos de Dilma, Lula e assessores do PT, foi segura nas respostas e ganhou a simpatia da maioria dos eleitores.

A previsão é de que no próximo levantamento dos institutos de pesquisa a situação da candidata do PSB deverá apresentar números ainda melhores. O motivo seriam as declarações de voto de várias personalidades muito respeitadas na política brasileira, entre elas três ex-ministros do PT, Cristovam Buarque, Gilberto Gil e José Viegas.

Doação de Empresários

Marina Silva também conseguiu a simpatia de empresários ao manifestar sua posição sobre a economia brasileira. Em jantar realizado na segunda-feira, 15, estiveram presentes José Berenguer, do JP Morgan; Luiz Stuhlberger, do Credit Suisse; José Roberto Moraes, do Grupo Votorantim; Geyze Diniz, mulher de Abilio Diniz; Ana Maria Diniz, irmã de Abilio Diniz; Tito Alencastro e Anis Chacur do Banco ABC Brasil, Andrea Pinheiro, do BR Partners e Jair Ribeiro, do Indusval.

Ao final do encontro, todos, sem exceção, aplaudiram a candidata do PSB, concordaram com as posições apresentadas e doaram cerca de R$ 8 milhões para a campanha, média de R$ 100 mil para cada um. Mais do que o dinheiro, os assessores de Marina comemoraram a bem sucedida performance junto a um setor tradicionalmente avesso aos políticos. 

Na pesquisa divulgada nesta terça-feira, o candidato Pastor Everaldo (PSC) obteve 1% das intenções de voto estimuladas. Luciana Genro (PSOL), Eduardo Jorge (PV), Zé Maria (PSTU), Eymael (PSDC), Levy Fidelix (PRTB), Mauro Iasi (PCB) e Rui Costa Pimenta (PCO) têm juntos 1%. Votos nulos ou brancos somam 7% e os indecisos são 6%.

Em um possível segundo turno entre Marina e Dilma, Marina teria 43% dos votos e Dilma, 40%, o que configuraria um empate técnico devido à margem de erro da pesquisa, que é dois pontos percentuais, para mais ou para menos. Brancos e nulos somariam 11% e 6% não sabem ou não responderam.

Em um segundo turno entre Dilma e Aécio, Dilma sairia vencedora com 44% contra 37% dos votos. Brancos e nulos, 12% e indecisos, 6%. Entre Marina e Aécio, Marina sairia vencedora com 48% dos votos contra 30%. Brancos ou nulos somariam 15% e não sabem ou não responderam, 8%.

Quanto a rejeição aos candidatos, Dilma continua com o maior índice, 32%; Aécio tem 19%, Pastor Everaldo, 17%; Marina, 14%; Levy Fidelix, 12%; Zé Maria, 12%; Eymael, 11%; Luciana Genro, 11%; Mauro Iasi, 10%; Rui Costa Pimenta, 10%; Eduardo Jorge, 9%.

A pesquisa foi encomendada pela Rede Globo e o jornal O Estado de S. Paulo. O Ibope ouviu 3.010 eleitores em 204 municípios do país entre os dias 13 e 15 de setembro. O nível de confiança é 95%. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BR-00657/2014.

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro