São Paulo, SP, 23/09/2019
 
04/02/2015 - 10h40m

Eleição para Mesa Diretora do Senado é adiada mais uma vez

Agência Brasil/Mariana Jungmann 
Reprodução
A eleição para a Mesa Diretora do Senado foi adiada para esta quarta-feira(4)
A eleição para a Mesa Diretora do Senado foi adiada para esta quarta-feira(4)

Brasília - A eleição da Mesa Diretora do Senado foi adiada mais uma vez. Ela deveria ter ocorrido às 10h desta terça-feira(3), foi adiada para as 16h, e agora novamente adiada para as 16h desta quarta-feira (4). Os líderes partidários não conseguem chegar a um consenso sobre as indicações para cada cargo, e algumas legendas querem lançar candidaturas avulsas para a disputa.

Historicamente, a escolha dos membros da Mesa sempre seguiu a regra da proporcionalidade. Ou seja: os partidos escolhem os cargos que querem ocupar pela ordem de tamanho das bancadas. Desta vez, no entanto, algumas legendas não aceitam seguir a regra porque, pela norma vigente, partidos como PMDB e PT, que têm as duas maiores bancadas, têm direito a dois cargos na Mesa, enquanto outros, de bancada reduzida, ficam de fora.

“O PT e o PMDB deveriam abrir mão de uma vaga para termos os 12 partidos com representação na Mesa, e eles não querem fazer isso”, justificou o senador Blairo Maggi (PR-MT).

Para o presidente da Casa, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), o impasse se criou depois que a regra da proporcionalidade foi quebrada pela candidatura avulsa do senador Luiz Henrique (PMDB-SC) para a presidência da Casa, mesmo sem o aval do PMDB, que apoiou a reeleição de Renan. Luiz Henrique foi apoiado por partidos de oposição e alguns colegas pemedebistas. “Houve uma pulverização de candidaturas para todos os cargos, estimulada pela quebra da proporcionalidade”, declarou o presidente.

No entanto, o novo líder do Democratas, senador Ronaldo Caiado (GO), acusa o próprio Renan Calheiros de estimular a quebra de acordo depois de ter enfrentado a candidatura oposicionista de Luiz Henrique. “Infelizmente, o próprio presidente está fomentando um quadro de candidaturas avulsas de outros partidos naqueles cargos que já estão definidos pela proporcionalidade, o que cria um clima conflituoso.”

As indicações oficiais, seguindo a regra da proporcionalidade, determinam que Jorge Viana (PT-AC) ocupe a 1ª vice-presidência, Romero Jucá (PMDB-RR) ocupe a 2ª vice-presidência, Paulo Bauer (PSDB-SC) fique com a 1ª secretaria, Ângela Portela (PT-RR) ocupe a 2ª vice-presidência, Zezé Perrela (PDT-MG) tenha a 3ª secretaria e Antônio Carlos Valadares (PSB-SE) a 4ª secretaria.

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro