São Paulo, SP, 18/11/2019
 
10/07/2012 - 00h02m

Empresa faz proposta para encerrar conflito com índios que invadiram Belo Monte

Agência Brasil/Aguirre Talento 

BELÉM, PA (Folhapress) - A Norte Energia, empresa responsável pela hidrelétrica de Belo Monte (PA), propôs aos índios que ocupam há 18 dias um dos canteiros de obras da usina a criação de dois comitês: um para acompanhar a vazão do rio Xingu e outro para monitorar o cumprimento das condicionantes da obra.

De acordo com a Norte Energia, os índios teriam assento nesses comitês, ainda sem definição de número de integrantes.

Representantes da empresa passaram o dia de hoje reunidos com lideranças indígenas.

A reunião foi marcada para tentar resolver o impasse criado com a invasão dos índios, que apresentaram uma longa pauta de reivindicações e acabaram forçando a empresa a paralisar as obras no sítio Pimental, um dos cinco canteiros de obras da usina.

O grupo é formado por cerca de cem índios das etnias arara, juruna e xicrin, no local desde o último dia 21 de junho.

As discussões continuarão amanhã, quando os índios devem dar uma resposta às propostas da Norte Energia, sinalizando se sairão ou não do canteiro.

A empresa está se comprometendo a cumprir somente as condicionantes previstas inicialmente no PBA (Plano Básico Ambiental) indígena, como construção de postos de saúde e escolas.

Outros pontos da pauta, como a aquisição de caminhonetes, ônibus, cabeças de gado e até pagamento de quantias em dinheiro não serão respondidas pela Norte Energia neste momento. A empresa diz aos índios que esses itens, não previstos no PBA, poderão ser discutidos no comitê.

Enquanto isso, as obras no sítio Pimental estão paradas desde a última quinta-feira por causa da circulação de índios no canteiro. O CCBM (Consórcio Construtor de Belo Monte) aguarda uma definição da reunião.

A hidrelétrica de Belo Monte, projeto prioritário do governo federal em construção no oeste do Pará, tem sido alvo de constantes protestos por causa dos possíveis impactos à população da região. Quando pronta, a usina será a terceira maior do mundo.

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro