São Paulo, SP, 16/10/2018
 
07/08/2014 - 02h25m

Executivo inglês acusado de venda ilegal de ingressos na Copa do Mundo deixa presídio

Agência Brasil/Douglas Corrêa 

Rio de Janeiro - O executivo inglês Raymond Whelan, diretor da empresa Match, deixou nesta quarta-feira (6) à tarde o Complexo Penitenciário de Gericinó, zona oeste do Rio, após liminar concedida ontem (5) pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Marco Aurélio Mello.

No mesmo processo, que apura a venda ilegal de ingressos da Copa do Mundo, são investigados o argelino Mohamed Lamine Fofana e mais nove pessoas, que permanecem presas. Outro indiciado, o advogado José Massih, responde pelo crime em liberdade por ter facilitado a ação da polícia para prender os integrantes da quadrilha.

Whelan teve a prisão preventiva decretada pela Justiça no dia 10 de julho e se apresentou no dia 14 de julho à desembargadora Rosita Maria de Oliveira Netto, da 6ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça, relatora do processo contra os 12 indiciados por integrar a máfia internacional de venda ilegal de ingressos para a Copa do Mundo.

O esquema da venda ilegal de ingressos foi deflagrado no dia 1º de julho, quando 12 pessoas foram presas no Rio e em São Paulo.

De acordo com o delegado Fábio Barucke, responsável pelas investigações que levaram à prisão da quadrilha, os envolvidos já atuaram em pelo menos quatro copas e, segundo levantamento da polícia, a quadrilha poderia movimentar cerca de R$ 200 milhões por Copa do Mundo.

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro