São Paulo, SP, 20/06/2019
 
13/07/2012 - 15h34m

Fernando Haddad diz que PP é estigmatizado por acusações de corrupção contra Maluf

Folhapress/Bernardo Mello Franco 
Divulgação
Fernando Haddad, candidato a prefeito de São Paulo pelo PT
Fernando Haddad, candidato a prefeito de São Paulo pelo PT

SÃO PAULO, SP (Folhapress) - O candidato do PT a prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, disse hoje que o PP é estigmatizado pelas acusações de corrupção contra seu presidente estadual, o deputado Paulo Maluf.

Ele saiu em defesa do partido aliado ao ser questionado sobre a denúncia criminal contra oito executivos de empreiteiras acusados de desviar verba da prefeitura na construção da avenida Água Espraiada, depois rebatizada de Jornalista Roberto Marinho, na gestão Maluf (1993-96).

"Não vejo razão para se estigmatizar um partido que está colaborando como o governo federal", disse Haddad, depois de pedir votos em Campo Limpo (zona sul).

"Acho um equívoco você estigmatizar um partido político. Todos os partidos que têm pessoas com qualquer tipo de suspeita têm que defender a apuração a todo custo."

Evitando citar o nome de Maluf, o petista disse que as acusações de corrupção "não têm nada a ver com aliança entre partidos".

Ele reclamou que aliados do adversário José Serra (PSDB) teriam passado a "falar mal" do PP depois que o partido decidiu apoiá-lo.

"Acho incrível que as pessoas que buscaram o apoio do PP mudaram do dia para a noite o julgamento que faziam do partido", afirmou.

"Aquelas pessoas que estavam enaltecendo e celebrando o apoio do PP ao Serra passaram a tratá-lo de outra maneira depois que ele tomou outro rumo."

Ao ser questionado sobre a tentativa de repatriar recursos que teriam sido enviados para supostas contas da família Maluf em paraísos fiscais, Haddad disse: "Se ficar comprovadas as suspeitas, é recurso de São Paulo, não tem o que discutir."

Suspeitas

Segundo reportagem do jornal "O Estado de S. Paulo", a denúncia do Ministério Público Federal têm como alvos oito executivos das empreiteiras OAS e Mendes Júnior, contratadas na gestão Maluf.

Os procuradores estimam que foram desviados 37% dos US$ 600 milhões destinados à construção da Água Espraiada e afirmam que as propinas eram entregues em caixas de bombom e de uísque para serem distribuídas ao ex-prefeito e a aliados.

A defesa de Maluf nega as acusações de desvio e sustenta que as contas de sua gestão foram aprovadas pelo Tribunal de Contas do Município.

Tags: Haddad, Maluf, PP, PT

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro