São Paulo, SP, 26/06/2019
 
10/06/2015 - 16h08m

Ferrovia Bioceânica poderá ser feita por etapas, diz Ministro

Agência Brasil/Karine Melo 
Reprodução
"A Ferrovia Bioceânica pode ser feita em partes, começando pelas que são mais viáveis comercialmente", esclareceu Barbosa
"A Ferrovia Bioceânica pode ser feita em partes, começando pelas que são mais viáveis comercialmente", esclareceu Barbosa

Brasília - O ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, disse nesta terça-feira (10) que a Ferrovia Bioceânica, que ligará o Centro-Oeste à Região Norte e ao Peru, poderá ser feita por etapas. Para o ministro, a obra já se justifica só pelo lado brasileiro no trecho brasileiro até Porto Velho, em Rondônia, para escoamento da produção pelo Rio Madeira e melhoria da infraestrutura para transporte de grãos.

De acordo com o ministro, o trem-bala só faz sentido se fizer todo traçado. "A Ferrovia Bioceânica pode ser feita em partes, começando pelas que são mais viáveis comercialmente", esclareceu Barbosa em audiência nas comissões de Infraestrutura e de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle do Senado.

A senadores preocupados com a construção de determinados trechos, independentemente de o projeto ser totalmente construído, como prevê o Programa de Investimento em Logística anunciado terça-feira (9) pelo governo, o ministro explicou que uma série de definições sobre a ferrovia ainda depende da conclusão dos estudos por empresas chinesas, o que deve ocorrer em maio de 2016.

Segundo Nelson Barbosa, ainda não está definido se a concessão dos 3,5 quilômetros previstos será de uma vez e a um mesmo grupo ou por trechos.

"É uma ferrovia que, além da economia, tem uma importância estratégica. Por isso, foi objeto de acordo entre três governos. Vamos criar uma rota alternativa de escoamento da produção agrícola do Brasil, pelo [Oceano] Pacífico, sem passar pelo Canal do Panamá. A construção se dará por etapas e levará algum tempo. O objetivo é, uma vez concluído e analisado o estudo, começar a obra até 2018. Obviamente a conclusão levará mais que quatro anos", acrescentou Nelson Barbosa.

O ministro destacou que é preciso ter taxa de retorno atraente para o setor privado nas concessões, mas em nível que o consumidor possa pagar. Segundo ele, com o Programa de Investimento em Logística, o governo quer transformar demanda em investimentos. "Por isso, o diálogo com governadores será intensificado para melhor identificar as necessidades em infraestrutura de cada região."

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro