São Paulo, SP, 23/09/2019
 
18/05/2012 - 07h40m

Fluminense perde de 1 a 0 para o Boca Juniors, na Bombonera

Folhapress/Thiago Braga  
©AFP / Juan Mabromata
Carlinhos precisou da proteção da polícia argentina para sair de campo quando foi expulso
Carlinhos precisou da proteção da polícia argentina para sair de campo quando foi expulso
  • Mouche fez o gol da vitória do Boca

SÃO PAULO (Folhapress) - O Fluminense foi até a Argentina esperando repetir o 2 a 0 da fase de grupos sobre o Boca Juniors. Mas jogando com um a menos desde os 33min do primeiro tempo, quando Carlinhos foi expulso, o time carioca não resistiu à pressão dos donos da casa e perdeu por 1 a 0. Placar ótimo devido às circunstâncias do jogo.

Agora o Boca jogará por um empate para se classificar para a semifinal. Derrota por um gol de diferença, desde que anote ao menos um gol (2 a 1, 3 a 2 etc...) também serve para os argentinos. O Fluminense precisa vencer por dois gols de diferença para se classificar direto. Repetição do 1 a 0 leva a decisão para as penalidades.

A partida de volta acontecerá no próximo dia 23, no Engenhão. O ganhador desta eliminatória enfrentará, nas semifinais, quem passar entre Universidad de Chile e Libertad, do Paraguai. No primeiro confronto, 1 a 1 no Paraguai.

O Fluminense entrou em campo com cinco desfalques, os mais sentidos eram Fred, Deco e Wellington Nem. Os donos da casa também tinham sua escalação comprometida por lesões. Ledesma, Somoza e, especialmente, o centroavante Santiago "El Tanque" Silva.

Mas quem começou melhor no jogo foi o time carioca. Nos primeiros 15 minutos, a equipe marcou a saída de bola do Boca e teve duas chances. Na melhor delas, Jean, na pequena área, preferiu chutar e não passar para Rafael Moura, que estava livre e mandou para fora.

A partir daí o Boca começou a dominar as ações. Especialmente nas bolas cruzadas. Foram pelo menos quatro chances claras, com Cvitanich, Schiavi duas vezes e Mouche.

Aí o que estava difícil, piorou aos 34min, quando Carlinhos, que já tinha cartão amarelo, interrompeu um contragolpe do Boca com a mão e foi expulso. A pressão aumentou e o Fluminense só não desceu para os vestiários com um placar adverso por causa da trave e por causa de Diego Cavalieri, que fez duas excelentes defesas em chutes de Schiavi e Mouche.

No intervalo, Abel Braga sacou Rafael Sóbis para remontar a sua defesa com a entrada do lateral esquerdo Carleto. Júlio César Falcioni fez o inverso e tirou o volante Erbes e colocou o atacante Blandi.

A alteração fez a equipe carioca não ter uma válvula de escape para puxar os contra-ataques e trouxe o Boca ainda mais para dentro do campo de defesa do Fluminense. Aí o inevitável aconteceu. Aos 7min Cvitanich recebeu com liberdade na intermediária e acionou Mouche na área. O camisa 7 chutou para abrir o marcador.

O segundo tempo era todo dos donos da casa, que iam atrás do segundo gol. Vendo que seu time não atacava e corria sérios riscos de levar mais um gol, Abel tirou Rafael Moura e colocou Marcos Júnior, um atacante de velocidade.

Até o fim da partida o Boca martelou atrás do segundo gol. Diego Cavalieri, com grandes defesas, foi de longe o melhor jogador da partida. Mas o time argentino não teve êxito e o placar se manteve em 1 a 0.

BOCA JUNIORS

Orión; Roncaglia, Schiavi, Insaurralde e Clemente Rodríguez; Rivero, Erbes (Blandi), Erviti e Riquelme; Pablo Mouche e Cvitanich (Araujo). Técnico: Julio César Falcioni.

FLUMINENSE

Diego Cavalieri; Bruno, Gum, Anderson e Carlinhos; Edinho, Jean, Wagner e Thiago Neves (Digão); Rafael Sobis (Thiago Carleto) e Rafael Moura (Marcos Junior). Técnico: Abel Braga.

Estádio: La Bombonera, em Buenos Aires

Árbitro: Carlos Amarilla (PAR)

Gol: Pablo Mouche, aos 7min do 2º tempo.

Cartões amarelos: Clemente Rodríguez, Erviti (B); Carlinhos, Thiago Carleto, Edinho (F)

Cartão vermelho: Carlinhos (F)

COM UM A MENOS, FLU PERDE MAS SEGUE VIVO NA LIBERTADORES

BUENOS AIRES (AFP) - O Fluminense levou sufoco, mas perdeu "apenas" por 1 a 0 para o Boca Juniors, nesta quinta-feira, na partida de ida das quartas de final da Copa Libertadores, no estádio "La Bombonera" de Buenos Aires.

Apesar da derrota, o resultado pode ser considerado positivo para o tricolor, que ficou com um homem a menos durante mais da metade do jogo após a expulsão de Carlinhos, aos 34 minutos do primeiro tempo. O Fluminense também não contou em Buenos Aires com suas principais estrelas, Deco e Fred, contundidos.

O goleiro Diego Cavalieri foi o herói da partida, salvando o Flu diversas vezes com defesas espetaculares. No entanto, ele não conseguiu impedir o gol marcado por Pablo Mouche aos 6 da etapa final.

Na próxima quarta-feira, o Flu precisa vencer por dois gols de diferença no Engenhão para conquistar a vaga nas semifinais, sendo que uma vitória por 1 a 0 leva o confronto para os pênaltis.

As duas equipes já se enfrentaram na fase de grupos e ambas venceram fora de casa. Em Buenos Aires, o time carioca conseguiu a façanha de derrotar o Boca por 2 a 1 na "Bombonera", acabando com uma invencibilidade de 36 jogos dos argentinos, que se "vingaram" ao vencer por 2 a 0 no Rio no segundo jogo.

Nesta quinta-feira, apesar da pressão da torcida do Boca, o Fluminense começou melhor, com várias chances de abrir o placar no início do primeiro tempo.

Aos 4 minutos de jogo, o zagueiro Anderson desarmou Riquelme perto da área tricolor e puxou o contra-ataque com grande jogada individual, driblando vários argentinos, antes de ser parado com falta na intermediária.

A primeira grande oportunidade do tricolor chegou aos 13, quando Jean ficou cara a cara com Orion após uma falha da zaga do Boca, tentou encobrir o goleiro, mas a bola passou por cima do gol.

No minuto seguinte, o tricolor teve outra boa chance, quando Rafael Moura se esticou todo para receber um cruzamento do seu "xará" Sóbis, mas "He-man" não conseguiu alcançar a bola.

O Boca reagiu ao 15, após Carlinhos levar um cartão amarelo por uma falta em Rivero pelo lado esquerdo. Riquelme cobrou a falta com perigo, Roncaglia desviou, mas Cavalieri defendeu com o pé.

Os argentinos continuaram pressionando e no lance seguinte, foi a vez de Gum salvar o Fluminense, ao afastar o perigo numa dividia com Cvitanich, após Cavalieri soltar a bola numa bomba fora da área de Roncaglia. Aos 21, Cvitanich teve outra boa chance, mas sua cabeçada passou por cima do gol.

A situação do Flu começou a se complicar aos 34, quando Carlinhos foi expulso ao receber seu segundo cartão amarelo por um toque de mão em contra-ataque do Boca.

Aos 42, Riquelme soltou a bomba, a bola foi desviada por Jean e passou rente à trave, saindo para escanteio. O Boca cobrou rápido, trocando passes, Schiavi recebeu no meio da área, chutou a queima-roupa e o goleiro tricolor voltou a salvar com uma defesa espetacular.

O Fluminense reagiu logo antes do intervalo, quando Sobis cruzou para Thiago Neves, que desviou de cabeça para Anderson, que também cabeceou. A bola foi cortada com o braço por Erbes, que estava de costas para o lance, e o árbitro não deu o pênalti.

Com um homem a menos, o tricolor se preparava para passar sufoco no segundo tempo, e o time voltou com um esquema mais defensivo, já que Rafael Sóbis saiu para a entrada de Thiago Carleto

Isso não impediu os argentinos de abrir o placar, aos 7 minutos, quando Mouche recebeu uma boa bola de Cvitanich dentro da área e bateu sem ângulo de canhota, no canto esquerdo de Cavalieri.

O Flu tentou reagir aos 12, quanto Jean puxou um bom contra-ataque e Wagner sofreu falta na entrada da área. Thiago Neves cobrou e a bola passou por cima do gol de Orión.

Abel tentou dar mais velocidade aos contra-ataques ao colocar o jovem Marcos Júnio no lugar de Rafael Moura, aos 22. O atacante de 19 anos mostrou serviço seis minutos depois: fez boa jogada pela direita, obteve um escanteio, mas a cobrança de Thiago Neves não deu em nada.

Aos 30, Mouche cobrou uma falta da entrada da área, a zaga do Flu avançou para tentar colocar os atacantes do Boca em situação de impedimento, mas esqueceu Schiavi, que ficou cara a cara com Cavalieri. O goleiro tricolor fez outra defesa milagrosa, preservando as chances da sua equipe para o jogo de volta.

Riquelme teve outra grande chance de ampliar, aos 44, mas seu chute saiu à direita do gol de Cavalieri.

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro