São Paulo, SP, 19/10/2019
 
21/08/2015 - 13h39m

História do futebol feminino é mostrada em documentário

Portal EBC 
Reprodução
Caminhos da Reportagem entrevistou as recordistas Marta e Formiga
Caminhos da Reportagem entrevistou as recordistas Marta e Formiga

Brasília - Quando a falta de apoio não está em casa, a garota que joga futebol no Brasil enfrenta piadas na escola e nos campos, onde só os meninos dominam a bola. Escolinhas de futebol para meninas não existem. Os salários, a divulgação, a cobertura da mídia, estão longe da realidade dos craques brasileiros. A maioria das atletas do futebol feminino se vê obrigada a dividir a dedicação ao time com outro trabalho para se manter.

O Caminhos da Reportagem entrevistou as recordistas Marta e Formiga, o presidente da CBF Marco Aurélio Cunha, entrou no alojamento do time de São José dos Campos (SP).

Em Minas Gerais, a equipe do programa conheceu as jogadoras do time de Araguari, que em 1959 – 10 meses depois jogar pelo país com pompa e circunstância –, foram proibidas de seguir na carreira, devido a uma lei dos anos 40 imposta no governo de Getúlio Vargas. “Eu me sentia ultrajada toda vez que recebia 'não' do então presidente da CBD, João Havelange, para apitar um jogo”, relata Lea Campos, a primeira árbitra de futebol do Brasil e do mundo.

Ainda hoje, ultrajes não faltam na carreira de jogadoras que tentam deixar invisibilidade no campo, quase sempre sintético, onde a bola não rola do mesmo jeito que nos gramados naturais dos times masculinos.

Assista na íntegra:

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro