São Paulo, SP, 22/06/2018
 
20/05/2016 - 12h15m

História Hoje: Silas de Oliveira foi o autor de vários clássicos da música popular brasileira

Portal EBC 

Brasília - Há 44 anos morria o compositor Silas de Oliveira, autor de sambas de enredo que se tornaram clássicos, como Aquarela Brasileira, Os Cinco Bailes da História do Rio, Glórias e Graças da Bahia e Heróis da Liberdade, em parceria com outros compositores.

Silas era professor de português, e se apaixonou pela aluna Elaine dos Santos. Naquela época fez amizade também com o jornaleiro Mano Décio da Viola.

Junto com Elaine e de Mano Décio, Silas começou a frequentar rodas de samba nos morros cariocas. Com os dois, ia também nos tradicionais pagodes das tias baianas, na Praça Onze, regados a muita bebida, comida e batucada.

Em 1947, Silas de Oliveira, ao lado de Mano Décio e outros compositores, fundou a Império Serrano e se tornou um dos grandes compositores da escola de samba de Madureira. Conquistaram o carnaval no ano seguinte.

Nos anos de 1949 e 1951, a dupla venceu a disputa do melhor samba enredo da escola com as músicas Exaltação a Caxias e o Caçador de Esmeraldas.

O compositor dedicou 28 anos de sua vida ao Império Serrano. Nesse período fez 16 sambas para a escola, das quais 14 foram apresentados no desfile oficial.

Quando o amigo Mano Décio foi para a Portela, a dupla se desfez. Mas Silas continuou compondo para a Verde-e-Branco de Madureira e muitos de seus sambas se tornaram clássicos do gênero.

Em 1968, com a volta de Mano Décio para a Império Serrano, os dois se enfrentam na disputa pelo melhor samba de enredo. Silas derrotou o antigo parceiro com a composição Pernambuco, Leão do Norte.

No ano seguinte, a dupla é refeita na última parceria e compõem o Heróis da Liberdade, em um ano em que o jeito de fazer samba-enredo passava por grandes modificações, sobretudo no andamento acelerado, lembrando marcha carnavalesca.

Em 1972, Silas de Oliveira foi a uma roda de samba, pensando arranjar dinheiro para matricular uma de suas filhas no vestibular.

Quando cantava Os Cinco Bailes da História do Rio, sofreu um infarto fulminante.

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro