São Paulo, SP, 23/09/2019
 
04/12/2014 - 11h42m

Interpelação criminal contra Aécio Neves é protocolada no STF

Agência Brasil/Luciano Nascimento  
Reprodução
Rui Falcão protocolou no STF uma petição de interpelação criminal contra Aécio Neves
Rui Falcão protocolou no STF uma petição de interpelação criminal contra Aécio Neves

Brasília - O presidente do PT, Rui Falcão, protocolou no Supremo Tribunal Federal (STF) uma petição de interpelação criminal contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG).

Candidato derrotado nas eleições presidenciais deste ano, Neves disse em entrevista no último sábado (29), a um canal de TV por assinatura, que perdeu para uma “organização criminosa".

“Na verdade, eu não perdi a eleição para um partido político. Eu perdi a eleição para uma organização criminosa que se instalou no seio de algumas empresas brasileiras patrocinadas por esse grupo político que aí está”, disse Aécio.

Na interpelação apresentada na quarta-feira (3), o PT pede que seja confirmada a declaração do tucano e que se esclareça a qual partido ele se referiu. O PT entende que a confirmação ofenderia "todo o sistema representativo e a própria democracia", não apenas o partido. A petição será avaliada pelo ministro Gilmar Mendes.

“Todos sabem da verdadeira história do Partido dos Trabalhadores, da verdadeira história da agremiação de pessoas, cidadãos e cidadãs que se uniram para alcançar enormes avanços sociais e aprimorar mecanismos de combate à corrupção”, diz o documento.

O pedido sustenta que “a lei que define organização criminosa e cria mecanismos para o seu combate foi resultado do esforço comum dos partidos políticos (...), o que evidencia a importância das agremiações políticas, que não podem ser acusadas e ofendidas de forma gratuita”.

De acordo com o pedido, confirmada a declaração, estaria caracterizado o crime de difamação e a declaração não é compatível com a conduta de um senador no exercício da atividade parlamentar.

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro