São Paulo, SP, 28/11/2021
 
15/11/2013 - 19h09m

Largo do Arouche agrada moradores com reforma e bancos esculpidos

Agência Hoje 
Heloisa Ballarini
Largo do Arouche revitalizado e com bancos esculpidos é aprovado por dona Ziralda Ferreira e a cachorrinha Olívia
Largo do Arouche revitalizado e com bancos esculpidos é aprovado por dona Ziralda Ferreira e a cachorrinha Olívia

São Paulo (Agência Hoje) - Depois de quatro meses de reforma e obras de revitalização, com a instalação de dois bancos esculpidos em árvores da espécie "Canelinha", o Largo do Arouche foi entregue à população e agradou as pessoas que circularam por lá. Todos gostaram e aproveitaram para pedir segurança permanente e a volta das barracas de flores.

Ponto tradicional do centro paulistano, o Arouche continua sendo um dos pontos preferidos das famílias que moram nas proximidades e chama atenção pelas muitas esculturas disponíveis - A Menina e o Bezerro, de Luís Christophe; Afonso Taunay, de Claude Dunin e Amor Materno, do francês Louis Eugéne Virion, que mostra a cadela e seu filhote.

A reforma feita pela SubPrefeitura da Sé é a quarta realizada em praças públicas do centro de São Paulo. Antes do Arouche, foram entregues as praças Alfredo Isso (República), Júlio de Mesquita (Santa Ifigênia) e Ulisses Guimarães (Parque Dom Pedro II). “Para o Centro isso é muito importante. Faz as pessoas saírem de casa e voltar a frequentar os espaços", disse a estudante Alinde Oliveira, satisfeita com o trabalho de revitalização.

No Largo do Arouche foram feitos serviços de pintura, colocação de novas plantas, gramado e calçamento. O destaque ficou para o trabalho do designer Hugo França, que esculpiu dois bancos em troncos de árvores mortas da espécie “Canelinha”.

“Era uma árvore que precisava ser retirada por estar na iminência de cair. A ideia é aproveitar as árvores dos parques e jardins da cidade de São Paulo e devolvê-las em forma de mobiliário público”, explicou o designer. Durante a tarde era fácil encontrar casais, trabalhadores e pessoas com animais de estimação aproveitando o largo revitalizado.

“Ficou um espetáculo. Mas precisa continuar assim, limpa. Antes o povo estava acabando com tudo, você não podia mais sentar. Tem gente que nem passava mais por aqui, principalmente à noite. Agora esperamos que o local também seja monitorado para garantir a segurança, principalmente das mulheres e crianças que passam por aqui”, afirmou Rosimeire de Souza, que mora próximo ao Largo do Arouche.

O nome do Largo do Arouche é uma homenagem ao marechal José Arouche de Toledo, mas já teve muitos outros nomes, como Largo do Ouvidor, Largo da Artilharia e Praça Alexandre Herculano. Por causa das flores que eram vendidas em várias barracas na década de 70 e deixavam um perfume agradável no ar, chegou a ser conhecido como Praça das Flores.

Oficializado em 1953, na administração do então prefeito Armando de Arruda Pereira, o Mercado de Flores do Arouche recebia visitas de moradores e turistas. Em algumas ocasiões, os próprios floristas, donos das barracas, levavam rosas para as pessoas que ficavam sentadas nos bancos da praça. É essa atmosfera agradável que as pessoas querem de volta.

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro