São Paulo, SP, 05/12/2019
 
30/04/2012 - 23h30m

Lideranças afrorreligiosas discutirão justiça social em evento paralelo à Rio+20

Agência Brasil/Alana Gandra 

Rio de Janeiro – No mesmo período em que o Rio de Janeiro estará recebendo a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Cnuds), a Rio+20, entre 13 e 22 de junho, cerca de 300 lideranças afrorreligiosas estarão na cidade para participar da 1ª Semana de Ecologia, Cultura e Cidadania dos Povos Tradicionais de Terreiro durante a Cúpula dos Povos, evento paralelo à conferência.

Segundo o dirigente da Rede Nacional de Cultura Ambiental Afro-Brasileira (GT Rio) – que promove o evento –, Aderbal Ashogun, a Cúpula dos Povos é vista pelas comunidades tradicionais como o momento apropriado para a discussão da justiça social e ambiental.

Ashogun ainda informou que serão priorizadas na cúpula ações em vários eixos, como a elaboração de políticas públicas, a luta contra a intolerância cultural e religiosa, a erradicação da pobreza e a segurança alimentar por meio da agricultura de subsistência e da agroecologia.

Os participantes do evento terão suas atividades transmitidas em tempo real para o Brasil e o mundo por meio do projeto Terreiro Digital, resultado de parceria com o Laboratório de Mídias Livres da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj).

O projeto também prevê a instalação de computadores e equipamentos para transmissão instantânea das ações em terreiros [local onde se celebra culto religioso] na zona norte do Rio de Janeiro, na Baixada Fluminense, em Niterói e em São Gonçalo. Ashogun espera que, após a Cúpula dos Povos, os equipamentos possam servir de forma permanente às comunidades dos terreiros.

Durante a Semana, a Rede Nacional irá capacitar lideranças culturais afro-brasileiras com o objetivo de fortalecer a pressão por políticas públicas para esse segmento da sociedade, bem como fomentar práticas sustentáveis e cidadãs.

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro