São Paulo, SP, 15/11/2019
 
06/07/2012 - 11h39m

Mãe e padrasto são presos sob suspeita de matar criança

Folhapress 

RIBEIRÃO PRETO, SP (Folhapress) - Foram presos preventivamente na manhã de hoje, em Ribeirão Preto (313 km de São Paulo), a mãe e o padrasto de Daniel Henrique Souza Rezende, 2, que morreu em janeiro sob suspeita de maus-tratos.

Fabio Alexandre Minchio, 31, foi levado ao Centro de Detenção Provisória de Ribeirão Preto e Ana Aparecida de Souza, 23, ficará na cadeia feminina de Cajuru.

Na saída da DDM (Delegacia de Defesa da Mulher) para o sistema prisional, o casal negou ter espancado a criança.

A prisão acontece seis meses depois da morte do menino. De acordo com a Delegada da DDM (Delegacia de Defesa da Mulher) de Ribeirão, Maria Beatriz Moura Campos, as marcas de espancamento ficaram evidentes no resultado da autópsia.

Em março, os dois foram indiciados por maus-tratos, mas segundo a delegada, eles responderão por homicídio.

Desde a morte do menino, três laudos médicos foram divulgados. Todos apontaram maus-tratos ao menino antes da morte.

Em janeiro, à Folha, Minchio negou ter envolvimento com a morte do enteado. "Ele voltou [da casa do pai] dizendo que a madrasta tinha batido a cabeça dele na parede. Levamos ao hospital e ele teve uma convulsão", afirmou, na época.

O pai do menino, Álvaro Leandro Rezende, 44, negou na ocasião que a madrasta Ivete Aparecida Roncari, 56, tenha agredido Daniel. Os dois não foram indiciados pela morte.

O caso

Daniel deu entrada no Hospital das Clínicas de Ribeirão no dia 5 de janeiro, porém não resistiu e morreu no dia seguinte.

O HC disse que o menino chegou ao hospital com sintomas de convulsão e "depressões nas nádegas aparentando marcas de chinelo, denotando marcas de violência".

Suspeitos pelos maus-tratos, Minchio e Souza tiveram a casa invadida no dia 7 de janeiro, mas ninguém ficou ferido.

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro