São Paulo, SP, 22/09/2019
 
10/06/2013 - 00h56m

Mais divertido, Além da Escuridão - Star Trek, entra em cartaz dia 14

Agência Hoje/Lucas Rigaud 
Reprodução
Star Trek estará nos cinemas brasileiros a partir de sexta-feira, dia 14 de junho
Star Trek estará nos cinemas brasileiros a partir de sexta-feira, dia 14 de junho

Recife (Agência Hoje/Lucas Rigaud) - Em 2009, J.J. Abrams, criador e realizador da premiada série de tv Lost, mostrou-se capaz de recriar Star Trek ao realizar um dos maiores filmes daquele ano. Pode-se dizer que, graças ao trabalho do cineasta, o universo baseado na série de tv dos anos 60 tornou-se novamente símbolo importante da cultura pop. O primeiro longa-metragem, sucesso de crítica e público, foi um prelúdio com novas ideias e desafios impostos por Abrams que acertou em cheio. Claro que Star Trek (2009) possui certos defeitos, mas a ausência deles era inevitável. Afinal, como seria possível conquistar um novo público sem uma diferente história cheia de reviravoltas, evitando o excesso de filosofia da série (algo que de fato fez falta) e incluindo mais ação, humor e efeitos visuais? Provavelmente, o principal objetivo de J.J. era não realizar um filme destinado somente aos fãs antigos da série, mas algo diferente para conquistar tanto estes quanto novos que teriam sua primeira experiência "trekker" ao assistir o filme.

No caso de Além da Escuridão – Star Trek (Star Trek Into Darkness), o filme segue a mesma linha do primeiro, agradando ou não fãs veteranos do seriado e das produções anteriores e fazendo com que um público novo reconheça as histórias na fronteira final. O novo longa, porém, consegue ter uma fidelidade ao universo Star Trek maior que o primeiro filme ao empregar uma história mais abrangente e, claro, com detalhes que serão aproveitados em uma próxima aventura. Na história: a tripulação da USS Enterprise é chamada de volta para casa após uma missão de frustrado sucesso. Porém, após um ataque contra a Frota Estelar, provocado por um renegado da própria organização (Benedict Cumberbatch), destruindo-a quase por completo e ocasionando uma situação e crise. Cabe a Kirk (Chris Pine), com questões pessoais a resolver, e sua tripulação caçarem o terrorista que escondeu-se em um planeta localizado em uma zona de guerra.

Mais uma vez, o roteiro é muito bem estruturado, com diálogos coerentes e um ótimo desenvolvimento. Percebe-se uma maior inclusão da filosofia “trekker” e participação de novos personagens tão conhecidos na série (cujos nomes não revelarei para evitar spoilers), dois fatos importantes que provavelmente encheram os olhos dos “trekkers” de longa data (como aconteceu com duas senhoras que estavam sentadas ao lado de mim durante a sessão).

O elenco novamente repetiu seus ótimos papéis da melhor forma possível. Muitos até evoluíram e aprimoraram suas atuações, como é o caso do ator Chris Pine que retorna como um Capitão Kirk mais maduro, procurando começar a assumir seus erros e responsabilizar-se pela tripulação, após inúmeros conselhos de Pike (Bruce Greenwood), capitão anterior da Enterprise. Zachary Quinto e Karl Urban retornam como Spok e Dr. McCoy, respectivamente, repetindo a já tão brilhante atuação em seus personagens no primeiro filme. Assim como o longa de 2009, todos os coadjuvantes tem seus momentos e, dessa vez, todos participam ativamente da ação. Entre os novos e bons nomes no elenco, estão: Benedict Cumberbatch (Sherlock), extremamente bem em seu papel que provavelmente retornará em um terceiro filme não muito distante; Peter Weller, como o Alm. Marcus e Alice Eve no papel de sua filha, Dra. Carol Marcus. O filme também conta com uma pequena participação especial, negando o boato de que J.J. Abrams não mais usaria atores da série original nas novas produções.

A fotografia do diretor Daniel Mindel continua bonita assim como o trabalho de artes e cenários e maquiagem (que rendeu ao primeiro filme um Oscar). As orelhas vulcanas de Spock levam 4 horas para serem aplicadas no ator Zachary Quinto, mas não são mais jogadas no lixo ao ter concluído uma cena (como acontecia na série de tv, com Leonard Nimoy). Michael Giacchino, parceiro de J.J. Abrams, realiza uma excelente trilha sonora para momentos de ação e dramáticos do longa, incluindo também o tema principal da série (composto originalmente por Alexander Courage). Grandes efeitos visuais e um 3D de qualidade estão muito bem empregados na trama e em suas eletrizantes cenas de ação que farão a felicidade de qualquer jovem, ou ancião, nerd. No início desse ano, um fã de Star Trek que sofria de câncer terminal teve o privilégio concedido pelos estúdios da Bad Robot de assistir a versão inacabada de Além da Escuridão, antes de falecer (http://www.oaluadorig.blogspot.com.br/2013/01/fa-de-star-trek-realiza-seu-desejo.html). Creio que o trekker sentiu orgulho da nova produção.

Além da Escuridão - Star Trek funcionará entre os fãs antigos, por abordar temas presentes no seriado, e sem dúvida conquistará novos corações nerds. Merecendo ser assistido mais de uma vez nos cinemas, o filme é de longe o melhor e mais divertido que já assisti em 2013 e talvez seja o longa do ano que, até agora, não decepcionou. Com o resultado da nova franquia Star Trek, pode-se ter certeza que J.J. Abrams cuidará bem de outra saga na qual fora recentemente contratado como diretor de um sétimo episódio, Star Wars. Os dois maiores ícones cinematográficos da ficção científica estão, de fato, em boas mãos.

SERVIÇO

Além da Escuridão – Star Trek (Star Trek Into Darkness)

Direção: J.J. Abrams

Produção: J. J. Abrams, Bryan Burk, Damon Lindelof, Roberto Orci, Alex Kurtzman

Roteiro: Roberto Orci, Alex Kurtzman, Damon Lindelof

Trilha Sonora: Michael Giacchino

Elenco: Cris Pine, Zachary Quinto, Karl Hurban, Benedict Cumberbatch, Zoë Saldaña, Alice Eve, entre outros.

Estréia no Brasil: 14 de junho. Disponível em IMAX 3D. Pré-estreia disponível em cinemas UCI, Cinemark e Cinépolis

Nota: 8,5

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro