São Paulo, SP, 23/09/2019
 
30/08/2014 - 23h02m

Maria Suellen ganha prata no mundial de judô; Rafael é bronze

Agência Hoje Internacional* 
CBJ/Divulgação
Maria Suelen faz bonito e fica com medalha de prata no mundial de judô 2014
Maria Suelen faz bonito e fica com medalha de prata no mundial de judô 2014

Moscou (Agência Hoje Internacional*) - A brasileira Maria Suelen Altherman conseguiu a medalha de prata no Campeonato Mundial de Judô, realizado em Chelyabins, cidade industrial russa, de 1 milhão de habitantes, a 1.770 quilômetros de Moscou. A atleta venceu todas as disputas e só perdeu na final para a cubana Idalys Ortiz que ficou com o ouro.

No final do campeonato, o Brasil ficou em terceiro lugar entre os partidos em disputa, com quatro medalhas, sendo uma de ouro, uma de prata e duas de bronze. Os pesados brasileiros mostraram, mais uma vez, a força da categoria e conquistaram duas medalhas para o Brasil no Mundial Chelyabinsk 2014.

Rafael Silva enfrentou o heptacampeão mundial Teddy Riner na semifinal e foi derrotado. Voltou para a disputa do bronze contra o holandês Roy Meyer e garantiu seu lugar no pódio por ter tido uma punição a menos que o adversário. David Moura chegou às semifinais mas não resistiu ao japonês Ryu Shichinohe e também foi para a disputa de bronze.

Lutando contra a torcida e um adversário mais alto, acabou derrotado pelo russo Renat Saidov e ficou na quinta colocação em sua primeira participação em mundiais.

Com as duas medalhas no último dia da competição, o Brasil terminou o campeonato em terceiro lugar no quadro geral de medalhas , atrás do Japão e da França e à frente de Cuba e Geórgia, equipes tradicionalmente fortes no judô. Coube ao presidente Paulo Wanderley Teixeira entregar as medalhas para os pesados: Idalys Ortiz, Maria Suelen Altheman, Megumi Tachimoto e Emile Andeol; Teddy Riner, Ryu Shichinohe, Renat Saidov e Rafael Silva.

Força dos Brasileiros

Com um começo arrasador, Maria Suelen Altheman em apenas um minuto e 22 segundos de luta conseguiu um ippon sobre Larisa Ceric, da Bósnia. Na segunda luta, contra a alemã Franziska Konitz, conseguiu um yuko com 30 segundos, um wazari com um minuto e o ippon 20 segundos mais tarde por causa da imobilização na sequencia do golpe.

Na semifinal, se impôs ante a japonesa Megumi Tachimoto, a quem nunca tinha vencido. Com muita vontade e tentando golpes o tempo todo, fez com que a adversária fosse punida e se garantiu na final. A decisão foi contra Idalys Ortiz, campeã olímpica em Londres 2012, mas ainda não foi dessa vez que ela acabou com a escrita contra a cubana. Com pouco mais de um minuto de luta, sofreu o ippon e ficou com a prata no Mundial.

Já Rafael Silva fez uso de seu tamanho e força para controlar os adversários e preferiu não se arriscar muito. Venceu três de suas cinco lutas, contra o alemão Andre Breitbarth, o egípcio Islam El Shehaby e a decisiva pelo bronze contra o holandês Meyer. Contra Marius Paskevicius (LTU) jogou por wazari e contra Teddy Riner acabou perdendo com um estrangulamento.

“Eu acho que foi uma competição importante, mais uma medalha para minha carreira. Consegui lutar com adversários novos, atletas que estão sendo preparados nesse ciclo para 2016. O grande exemplo é esse japonês que é aposta deles para esse novo ciclo”, analisou Baby.

O brasileiro lamentou a derrota para o francês. “É uma pena ter perdido do Riner na semifinal, mas a medalha mostra que o trabalho está sendo bem feito. O japonês é um exemplo de que dá pra ganhar dele. Então, é trabalhar mais um ano e tentar no Mundial do ano que vem de novo”, explicou Rafael, lembrando que Shichinohe chegou a projetar Riner e quase conseguiu uma pontuação e a vitória sobre o francês. Riner, agora heptacampeão mundial, completou 67 lutas invicto.

Bom Começo

David Moura também fez um Mundial muito bom, especialmente para um estreante. Precisou de apenas 17 segundos para vencer o ucraniano Stanislav Bondarenko(UKR) por ippon. Nas oitavas, passou pelo mongol Temuulen Battulga (MGL) com um ippon por imobilização depois de ter sido jogado por wazari.

Contra o holandês Meyer, que vai ter pesadelos com os brasileiros porque perdeu para Rafael Silva na disputa do bronze, vitória por uma punição. Na semifinal, contra Ryu Shichinohe, a vitória esteve muito perto. David saiu ganhando por um wazari mas não conseguiu segurar o resultado e sofreu dois wazaris. Na disputa do bronze, não achou a pegada contra o russo Renat Saidov e terminou o Mundial em quinto.

O campeão mundial de 2007, Luciano Correa venceu em sua estreia mas não conseguiu resistir ao tcheco Lukas Krpalek, que se tornaria campeão, e se despediu do Mundial 2014 na segunda rodada. Rochele Nunes também não encontrou seu melhor judô contra a turca Gulsah Kocaturk e perdeu em sua primeira luta.

Encerrando o Mundial Chelyabinsk 2014, será realizada a competição por equipes neste domingo, dia 31. As meninas vão encarar a Polônia na estreia e os homens enfrentam a França. As eliminatórias começam a uma da manhã e as finais às oito horas, no horário de Brasília.

* Com informações da Confederação Brasileira de Judô

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro