São Paulo, SP, 22/11/2019
 
06/08/2015 - 14h52m

Michel Temer faz apelo para superar crise e afirma que situação precisa ser reconhecida

Agência Brasil/Ana Cristina Campos  

Brasília - Um dia depois de fazer apelo ao país pela união para superar a crise econômica e política, o vice-presidente e articulador político do governo, Michel Temer, voltou a defender nesta quinta-feira (6) que é preciso continuar o diálogo com o Congresso Nacional, cuja pauta de votações inclui medidas que aumentam os gastos públicos.

“É preciso que alguém faça este apelo e eu estou tomando, por isso, a liberdade de fazê-lo em nome do governo. Nós vamos continuar dialogando, não vamos nos impressionar com o dia de ontem e com o dia de hoje. Agora, o alerta era indispensável. Se nós começarmos a dizer que não há crise de maneira nenhuma, não ajudamos a superá-la. E a crise econômica muitas vezes ocorre e é logo superada. Uma eventual crise política no Congresso é imediatamente superada ou será superada ao longo do tempo”, disse, em entrevista após palestra no Centro Universitário de Brasília (Uniceub) sobre governabilidade e governança.

Apesar do apelo feito ontem pelo vice-presidente, a Câmara aprovou na madrugada desta quinta (6), em primeiro turno, a proposta de emenda à Constituição (PEC 443/09) que vincula os salários de advogados públicos e delegados de polícia à remuneração dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), que é R$ 33,7 mil. Durante todo o dia, governistas tentaram evitar a votação, argumentando que a medida cria um impacto de R$ 2,4 bilhões no Orçamento da União, segundo cálculos do Ministério do Planejamento.

Sobre a popularidade da presidente Dilma Rousseff, Temer afirmou que essas avaliações são “cíclicas”. Segundo pesquisa Datafolha divulgada hoje, feita nos dias 4 e 5 de agosto, 71% dos entrevistados consideram o governo ruim ou péssimo, enquanto 8% avaliam a administração da petista como ótima ou boa.

“Essas pesquisas muitas vezes são negativas para logo depois se tornarem positivas. Aliás, a presidenta Dilma tem feito esforço extraordinário, tem praticado os melhores gestos. Ela reuniu governadores para revelar a função federativa, reuniu lideranças na Câmara, no Senado. Tem feito um trabalho excepcional para manter tranquilidade institucional no nosso país. Então, a pesquisa de hoje não será a de amanhã. Essa pesquisa se reverterá, a presidenta Dilma terá um apoio extraordinário da população brasileira”, disse.

Na semana passada, Dilma reuniu todos os governadores no Palácio da Alvorada para pedir apoio no Congresso a fim de tentar evitar a aprovação de medidas que impactam as contas públicas.

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro