São Paulo, SP, 17/06/2018
 
01/09/2015 - 10h12m

Mudanças climáticas na região do Oceano Ártico serão estudadas

Agência Brasil/Leandra Felipe 
Reprodução
Projeto denominado Above vai reunir dados coletados pela Nasa ao longo de vários anos, por meios de satélite
Projeto denominado Above vai reunir dados coletados pela Nasa ao longo de vários anos, por meios de satélite

Atlanta, Estados Unidos - A Agência Espacial dos Estados Unidos (Nasa, a sigla em inglês) anunciou na segunda-feira (31) que vai estudar os efeitos ambientais e sociais das mudanças climáticas no Alasca e Noroeste do Canadá, regiões banhadas pelo Oceano Ártico e afetadas pelo degelo dos glaciais. O projeto denominado Above - Arctic Boreal Vulnerability Experiment - vai reunir dados coletados pela Nasa ao longo de vários anos, por meios de satélite, e calcular os efeitos climáticos em uma área de 6,4 milhões de quilômetros.

O anúncio foi feito no mesmo dia em que o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, discursou em uma conferência sobre os impactos das mudanças climáticas para os glaciais no estado do Alasca e defendeu que medidas sejam tomadas para reduzir o impacto dessas mudanças na região.

O programa da Nasa terá três fases e dois estágios de investigação. O objetivo é medir o impacto das mudanças na região do Ártico para a fauna e a flora e para a população local. No texto publicado em sua página, a Nasa diz ter material coletado para estudo. "Os bosques boreais e a tundra [presentes no ecossistema ártico] são fundamentais para compreender o impacto das mudanças do clima na Terra", acrescenta o texto.

Nas fases do estudo será investigado o impacto dos incêndios florestais nos ecossistemas da região, onde mais de 5 milhões de acres (2 milhões de hectares) no Alasca e 9,7 milhões de acres (4 milhões de hectares) no Canadá foram queimados. Também será estudado o alcance do descongelamento dos chamados permafrost - terrenos que estiveram congelados por milhares de anos e agora apresentam composição de matéria orgânica e plantas.

"A vegetação e o carbono congelados no solo apodrecem e liberam metano e dióxido de carbono na atmosfera, o que aumenta o efeito estufa e produz a continuidade do ciclo, mais descongelamento e mais liberação de gases na atmosfera".

O estudo sobre o impacto na vida silvestre do Alasca e do Canadá vai abordar ainda mudanças no habitat e movimentos migratórios de animais da região.

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro