São Paulo, SP, 19/11/2019
 
05/06/2012 - 10h33m

Mulher de executivo da Yoki esquartejado em São Paulo, nega participação no crime

Folhapress/ André Caramante e Josmar Jozino 

SÃO PAULO, SP (Folhapress) - Elise Ramos Kitano Matsunaga, presa na noite de ontem por ordem da Justiça sob suspeita de ter esquartejado o marido -o executivo Marcos Kitano Matsunaga, 42-, negou à Polícia Civil ter cometido o crime.

O corpo de Matsunaga -diretor-executivo da Yoki, uma das maiores empresas do ramo alimentício do país- foi esquartejado e, ao longo das últimas semanas, as partes foram desovadas em cidades da Grande São Paulo, principalmente em Cotia. O empresário havia desaparecido em 20 de maio.

Elise teve a prisão temporária (cinco dias) decretada pela Justiça na noite de ontem e negou o crime aos policiais civis do DHPP (Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa), que investigam o caso.

De acordo com o chefe do DHPP, delegado Jorge Carrasco, existem fortes indícios de que Elise cometeu o crime contra o marido.

A vítima, segundo Carrasco, era colecionadora de armas e, após seu desaparecimento, sua mulher e agora suspeita entregou à Guarda Municipal de Cotia algumas armas que pertenciam a ele para que fossem destruídas.

Uma dessas armas entregues seria uma pistola que, provavelmente, é do mesmo usada para acertar um tiro no executivo. No apartamento do casal também existem vários congeladores, que estão sendo periciados. A polícia acredita que as partes do corpo de Matsunaga ficaram em algum tipo de refrigerador antes de serem jogadas em Cotia.

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro