São Paulo, SP, 23/06/2018
 
03/05/2016 - 15h11m

O que nos move a continuar é o sonho

Vanderlei Cordeiro de Lima* 

Participo de um momento grandioso para o nosso país: o de carregar a tocha olímpica. Para mim, enquanto ex-atleta e medalha de bronze nas Olimpíadas de Atenas, em 2004, é um grande privilégio participar deste momento. Algo diferente, mas grandioso, esse de carregar o maior simbolismo da Olimpíada. E nesse tour que a chama vai fazer, nós já começaremos a contagiar o país para essa grande festa que vamos realizar.

Eu nasci no interior do Paraná e vejo o revezamento da tocha como uma oportunidade única para quem não pode assistir aos Jogos Olímpicos pessoalmente. A chama chega representando muito do que vamos ver em uma grande festa, já que as pessoas vão ter a oportunidade de se aproximar dela enquanto o fogo desfila pelos estados brasileiros. E, pra mim, os Jogos no Rio têm muito o papel de unir os povos: integração ao movimento olímpico.

Enquanto eu estiver carregando este grande símbolo por Brasília, espero com muita alegria e emoção poder compartilhar com as pessoas ao meu redor esse sentimento único.

Pessoal, realizar o maior evento esportivo do mundo neste momento no Brasil é, de fato, muito grandioso. Para nós, ex-atletas, a emoção é a mesma de quem estará lá representando o país, de ver a nossa delegação brilhar na nossa casa. Com certeza nós, brasileiros, vamos fazer a maior e melhor festa de todas as Olimpíadas.

Para aqueles que têm um grande sonho de poder se tornar um atleta olímpico, deixo meu recado: sonhe! Este foi o meu sonho, o meu planejamento de um dia poder conquistar uma medalha olímpica. O que nos move a continuar é o sonho. O atleta tem que sonhar e nunca desistir do seu maior desejo. E eu repito: para mim é uma satisfação muito grande poder participar dessa Olimpíada de alguma forma.

* Vanderlei Cordeiro de Lima é ex-atleta e medalha de bronze nas Olimpíadas de Atenas, em 2004

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro