São Paulo, SP, 17/12/2018
 
15/12/2015 - 10h23m

Obama diz que luta contra Estado Islâmico precisa avançar rápido

Agência Brasil/Leandra Felipe 
Divulgação/Governo dos Estados Unidos
Obama reconheceu que são necessários "progressos" e respostas mais rápidas
Obama reconheceu que são necessários "progressos" e respostas mais rápidas

Atlanta (EUA) - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse que a luta do país e dos demais aliados contra o grupo extremista Estado Islâmico no Iraque e na Síria foram intensificados, mas reconheceu que são necessários “progressos” e respostas mais rápidas.

Inicialmente otimista, ele afirmou, em discurso durante visita ao Pentágono, que com ataques mais intensos a organização deverá ser enfraquecida e ficará mais difícil difundir sua propaganda para o resto do mundo. “Estamos atacando mais fortemente do que nunca”, destacou, após reunião do Conselho de Segurança Nacional. Em seguida, Obama afirmou que a luta continua difícil e dura e que uma dificuldade é o fato de os extremistas usarem mulheres e crianças vulneráveis” como escudos.

O presidente norte-americano lembrou que, nos últimos dois meses, vários líderes do Estado Islâmico foram abatidos. “A mensagem que fica para eles [líderes] é de que vocês são os próximos”, comentou.

A reunião do Conselho de Segurança e as declarações no Pentágono ocorreram depois que foi intensificado o debate sobre a presença de muçulmanos nos Estados Unidos e a necessidade de resultados mais contundentes contra o grupo.

Antes do atentado cometido por um casal muçulmano na Califórnia – que deixou 14 mortos -, as pesquisas já mostravam que mais de 60% dos americanos desaprovam a forma como Obama tem lidado com a ameaça terrorista, em geral, e com o Estado Islâmico, em particular.

O tema também intensifica o debate presidencial. Pré-candidatos se posicionam em defesa da política de Obama, como a pré-candidata Hillary Clinton, ou contra, defendendo medidas radicais como o fechamento de mesquitas e a suspensão de vistos para muçulmanos, ideia defendida por Donald Trump.

Nesse cenário, Obama disse que radicalizar é a pior medida e que o Estado Islâmico não representa o pensamento muçulmano em geral. Ele acrescentou que não disse que vai mudar a estratégia, mas admitiu: "Reconhecemos que os progressos têm de ser mais rápidos".

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro