São Paulo, SP, 24/06/2019
 
19/06/2015 - 13h52m

Partida entre Brasil e Venezuela não contará com camisa 10 Neymar

Portal EBC/Maurício Costa 
Reprodução
Mesmo sem Neymar, o meia Willian está otimista sobre o jogo contra a Venezuela
Mesmo sem Neymar, o meia Willian está otimista sobre o jogo contra a Venezuela

Brasília - Neymar está suspenso, preventivamente, por pelo menos por uma partida. A decisão é da Comissão Disciplinar da Conmebol, que deu 24 horas para a CBF apresentar a defesa do atacante sobre a expulsão de quarta-feira (17) contra a Colômbia e a suspensão automática pelo segundo cartão amarelo.

Com isso, há possibilidade de Neymar pegar dois jogos de suspensão, ou ainda, de acordo com membros do comitê disciplinar, só um jogo. Uma coisa é certa: Neymar está fora da partida contra a Venezuela. Para o meia Willian, o Brasil sabe jogar sem o camisa 10.

"É difícil, o Neymar, todos sabem que ele é uma referência para a gente hoje, mas espero que, no domingo, com certeza vão ter jogadores para superar a ausência dele e espero que a gente possa voltar a vencer".

Para o lugar de Neymar, o técnico Dunga tem como opções Robinho, Roberto Firmino e Diego Tardelli, que disputam uma vaga no ataque brasileiro. O próprio atacante Diego Tardelli diz que o Brasil tem que mudar um pouco sim para a próxima partida contra a Venezuela. "Tem que ter a cabeça no lugar, a gente perder o foco em alguns momentos da partida e, por isso, que a gente tem que voltar pro foco, estar mais concentrado e ligado na partida".

A Seleção Brasileira fez na quinta-feira um treino somente entre os reservas e os jogadores que não atuaram todos os 90 minutos da partida de ontem contra a Colômbia. Os titulares fazem apenas trabalho regenarativo. Nesta sexta-feira, o técnico Dunga tem trabalho em tempo integral para definir qual a equipe que entra domingo contra a Venezuela, no mesmo Estádio Monumental, palco da derrota contra a Colômbia.

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro