São Paulo, SP, 12/12/2019
 
13/09/2013 - 10h18m

Pastor de igreja evangélica do Rio é condenado a 15 anos de prisão por estupro de fiéis

Agência Brasil/Vitor Abdala 

Rio de Janeiro - O pastor Marcos Pereira da Silva foi condenado ontem (12) a 15 anos de prisão por estupro de uma seguidora da Igreja Assembleia de Deus dos Últimos Dias, da qual ele era líder. Marcos Pereira está preso desde 8 de maio, no Complexo Penitenciário de Gericinó, na zona oeste da cidade do Rio de Janeiro.

A condenação foi feita pela 2ª Vara Criminal de São João de Meriti, na Baixada Fluminense. O crime foi cometido no final de 2006, dentro de igreja. Segundo denúncia do Ministério Público, o pastor se valeu da condição de presidente da congregação para cometer o estupro.

Além disso, segundo o Ministério Público, Marcos Pereira amedrontava as fieis, dizendo que, se contassem sobre o estupro a outras pessoas, seriam possuídas por espíritos malignos e sentiriam “o peso das mãos de Deus”.

No início deste mês, o Ministério Público também denunciou Marcos Pereira por associação para o tráfico. Segundo o documento, o pastor se associou a Márcio Nepomuceno dos Santos, o Marcinho VP, líder de uma das principais organizações criminosas do Rio de Janeiro, em 1993, atuando inicialmente como homem de ligação entre criminosos presos e aqueles em liberdade.

O Ministério Público acusa o pastor de usar templos de sua igreja para esconder criminosos foragidos e armas da organização. Ele também é acusado de convencer os seguidores a esconder criminosos e a depor a favor deles.

Segundo a 17ª Promotoria de Investigação Penal da 1ª Central de Inquéritos do Ministério Público do Estado, a prisão do pastor por estupro foi um dos motivos que levaram criminosos a fazer ataques contra a sede da organização não governamental AfroReggae, no Complexo do Alemão, nos últimos meses. O diretor da ONG, José Júnior, testemunhou contra Marcos Pereira no caso do estupro.

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro