São Paulo, SP, 23/10/2018
 
16/06/2016 - 12h52m

Pesquisadores da USP criam biolarvicida que elimina larvas do aedes

Portal EBC 
Agência Brasil/Arquivo
Biolarvicida foi desenvolvido a partir do bagaço da cana-de-açúcar
Biolarvicida foi desenvolvido a partir do bagaço da cana-de-açúcar

Brasília - Pesquisadores da Escola de Engenharia de Lorena da Universidade de São Paulo (EEL-USP) desenvolveram um biolarvicida produzido a partir do bagaço da cana-de-açúcar capaz de eliminar as larvas do mosquito Aedes aegypti. Em entrevista, o coordenador do projeto e professor da Universidade de São Paulo (USP), Sílvio Silvério, e o doutorando em Biomedicina, responsável pela pesquisa, Paulo Franco, falaram sobre o biolarvicida.

“Esse biolarvicida é um composto, um biossurfactante de segunda geração, produzido a partir de leveduras que produzem a substância durante o processo de fermentação dos açúcares presentes no bagaço da cana-de-açúcar. Ele é um composto sustentável, produzido por uma tecnologia verde, sem nenhuma agressão ao meio ambiente e nem aos animais de uma forma geral”, explicou o coordenador Sílvio Silvério.

“Os testes foram feitos em julho de 2015, utilizando as larvas num estágio metabólico mais avançado, no terceiro estágio de crescimento. Das formulações testadas, duas formulações, em 24 horas, eliminaram 100% das larvas, e em 48 horas, elas foram totalmente desestruturadas e desintegradas”, explicou o doutorando Paulo Franco.

Eles explicam que o composto interage com o sifão respiratório das larvas, deixando a região, formada por moléculas apolares, com umidade controlada e protegida pelo exosqueleto, suscetível à interação com a água. Com isso, as larvas do mosquito sofrem asfixia. Além disso, o biossurfactante dificulta o equilíbrio hidrostático das larvas, o que as leva a ter um gasto energético exacerbado e à morte por afogamento.

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro