São Paulo, SP, 23/09/2019
 
23/05/2016 - 09h51m

Polícia Federal prende João Cláudio Genu; ação faz parte da 29ª fase da Operação Lava Jato

Agência Hoje* 
Agência Brasil/Arquivo
Investigações indicam que Genu recebeu repasses de propina mesmo durante o julgamento do Mensalão
Investigações indicam que Genu recebeu repasses de propina mesmo durante o julgamento do Mensalão

São Paulo (Agência Hoje) - Agentes da Polícia Federal prenderam, na manhã desta segunda-feira, 23, João Cláudio Genu que foi tesoureiro informal do PP e assessor do ex-deputado federal José Janene. A operação, denominada Repescagem,  faz parte da 29ª fase da Lava Jato.

Ao todo, a ação policial cumpre seis mandados de busca e apreensão, um mandado de prisão preventiva e dois mandados de prisão temporária nas cidades de Brasília, Rio de Janeiro e Recife.

Os mandados foram expedidos pela 13ª Vara Federal de Curitiba em investigação de crimes de formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e corrupção passiva e ativa envolvendo verbas desviadas da Petrobras.

Um dos investigados, preso nesta segunda-feira, é João Cláudio Genu. No passado, ele foi, juntamente com Janene, denunciado na Ação Penal 470, do Supremo Tribunal Federal – conhecida como Mensalão – acusado de sacar cerca de R$ 1,1 milhão em espécie das contas da empresa SMP&B Comunicação, controlada por Marcos Valério Fernandes de Souza, para repassar a parlamentares federais do Partido Progressista.

À época do Mensalão, Genu foi condenado pelo STF por corrupção e lavagem de dinheiro, mas houve prescrição quanto ao crime de corrupção e, quanto ao crime de lavagem de dinheiro, ele foi posteriormente absolvido no julgamento de vários embargos infringentes.

De acordo com a Polícia Federal, durante as investigações da Lava Jato, surgiram indícios da participação de Genu também no esquema de corrupção envolvendo contratos com a Petrobras. As investigações indicam que ele continuou recebendo repasses mensais de propina, mesmo durante o julgamento do Mensalão e após ter sido condenado. Os repasses ocorreream, no mínimo, até 2013.

A 29ª fase da Lava Jato foi batizada de Repescagem justamente porque o principal investigado já foi condenado na ação do Mensalão. Os presos e o material apreendido serão levados para a sede da Polícia Federal em Curitiba.

* Com informações da Agência Brasil

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro