São Paulo, SP, 20/09/2019
 
06/10/2014 - 11h08m

"O Cantor de Jazz", o primeiro filme falado, comemora 87 anos

Agência Hoje 
Reprodução

São Paulo (Agência Hoje/Isabela Guiaro) - “O Cantor de Jazz”, lançado no dia 6 de outubro de 1927, é considerado o primeiro filme de longa duração da história a ter trilha sonora e fala sincronizadas com o vídeo. Isso só aconteceu devido ao uso de um disco de acetato, parte da tecnologia de sistema sonoro Vitaphone, com ajuda da produção e distribuição da Warner Bros.

Antes de “O Cantor de Jazz”, os filmes eram produzidos completamente sem som e nas salas de cinema havia uma pequena orquestra para tocar a trilha sonora ao vivo. Além disso, era comum os atores ficarem atrás das telas e fazerem uma espécie de dublagem das cenas.

Com o lançamento do musical, o cinema mudo começou a entrar em declínio, história que foi muito bem retratada nos filmes “Cantando na Chuva” (1952) e “O Artista” (2011). A partir de então, as produtoras cinematográficas passaram a investir nos filmes falados, conhecidos na época como “talkies”.

A produtora Warner Bros. ganhou um Oscar Honorário na primeira edição da premiação, em 1927, "por produzir “O Cantor de Jazz” (1927), o ilustre filme falado pioneiro, que revolucionou a indústria". A estatueta foi dividida com “O Circo” de Charles Chaplin.

O filme foi selecionado pela National Film Registry, da Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos, para ser preservado, pois é “culturalmente, historicamente e esteticamente relevante”. Ademais, o American Film Institute (AFI) classificou-o em 90º lugar do ranking de melhores filmes já produzidos.

História

O jovem Jakie Rabinowitz, interpretado por Al Jolson, cantor de jazz famoso da época, faz parte de uma família judia tradicional, e passa a desafiar suas tradições ao começar a cantar músicas populares da época em uma casa de diversões norte-americana.

Seu pai é um cantor litúrgico, conhecido como Chazan, de uma sinagoga no Lower East Side de Manhattan, em Nova York. Tenta puni-lo, pois quer que seu filho siga os seus passos. Jakie, então, resolve fugir de casa e um ano depois se torna um famoso cantor de jazz.

Jakie adapta seu nome para Jack Robin, passando a usá-lo como nome artístico. Os conflitos com sua herança cultural, porém, nunca desaparecem. Ainda que ele se torne popular, sua relação com os membros da família sempre causam problemas.

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro