São Paulo, SP, 23/06/2018
 
24/08/2016 - 10h59m

"Vamos resistir", afirma Dilma Rousseff sobre o impeachment

Agência Brasil/Camila Boehm 
Agência Brasil/Valter Campanato
"Vamos todos nós, juntos, resistir", disse Dilma
"Vamos todos nós, juntos, resistir", disse Dilma

São Paulo - A menos de 48 horas do início do julgamento do processo de impeachment contra ela no Senado, na quinta-feira (25), a presidente afastada Dilma Roussef participou na terça-feira (23) do Encontro em Defesa dos Direitos e contra o Golpe, na Casa de Portugal, centro da capital paulista, e pediu: “Vamos todos nós, juntos, resistir. Eu começo por essa palavra, que é uma palavra forte, de luta: vamos resistir”.

Dilma destacou a união entre movimentos sociais, partidos políticos progressistas, sociedade, artistas e mulheres, em uma grande frente de resistência. “Uma mobilização que criou uma frente no mais puro sentido da democracia. Essa foi, talvez, nossa maior vitória”, disse Dilma.

Ela afirmou, em seguida, que “Uma das coisas que nós aprendemos com tudo isso que aconteceu é que a democracia não está garantida. A democracia é uma conquista sistemática e nós temos de estar atentos para não perder o que ganhamos”.

Dilma disse que o grupo mobilizado em torno da questão também foi vitorioso ao identificar que o que estava acontecendo era um golpe, segundo suas palavras “Por que é um golpe? Porque se trata da utilização de um instrumento que, de fato, está previsto na Constituição, que é o impeachment, mas que não tem base de sustentação porque não houve crime de responsabilidade”.

“Vocês podem ter certeza que esse é um processo que nós temos todas as condições de absorver e de superar. Para isso, temos que estar mobilizados. Eu lutei a minha vida inteira, eu lutei contra a tortura, eu lutei contra um câncer e vou lutar contra qualquer injustiça”, finalizou a presidenta afastada.

O ato foi organizado pela Frente Brasil Popular e Frente do Povo sem Medo e teve a participação de ativistas e políticos do PT, entre eles o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, o presidente do partido, Rui Falcão, e o ex-senador Eduardo Suplicy.

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro