São Paulo, SP, 18/10/2018
 
14/12/2016 - 09h11m

Rebeldes anunciam acordo para retirada definitiva de Aleppo

Rádio França Internacional 
Reprodução
Derrotados, rebeldes da Síria começam retirada definitiva de civis de Aleppo
Derrotados, rebeldes da Síria começam retirada definitiva de civis de Aleppo

Damasco, Síria - Um acordo para a retirada de civis e rebeldes de Aleppo foi alcançado nessa terça-feira (13) - anunciaram grupos opositores, após a onda de indignação internacional provocada pelas atrocidades cometidas na segunda cidade síria, prestes a ser retomada pelo governo. A informação é da Rádio França Internacional.

Milhares de pessoas permanecem cercadas nos últimos bairros rebeldes da cidade, que já foi a capital econômica do país, sujeitas a intensos bombardeios do Exército.

O acordo para retirar "moradores e rebeldes com suas armas leves dos bairros sitiados" foi concluído, "impulsionado pela Rússia e Turquia", apoiadores do governo e dos rebeldes, respectivamente, disse um chefe rebelde à AFP. O acordo "entrará em vigor nas próximas horas", afirmou Yasser Al Yussef, do escritório político do grupo Nuredin Al Zinki.

Feridos e Civis

"A retirada de feridos e civis será feita primeiro. Depois, os rebeldes sairão com suas armas leves", acrescentou. "Os que saírem escolherão ir para o oeste da província de Aleppo ou para a província (vizinha) de Idleb", em regiões sob controle insurgente, acrescentou o representante rebelde.

Uma fonte do Ahrar Al Sham, outro conhecido grupo rebelde islamita, confirmou o acordo, afirmando que os civis, e depois os rebeldes, seriam retirados de ônibus para essas áreas.

Pouco depois, o embaixador russo na Organização das Nações Unidas (ONU) confirmou o acordo. "Foi alcançado um acordo para que os combatentes deixem a cidade", disse Vitaly Churkin a jornalistas. Segundo ele, a retirada pode começar "dentro de algumas horas".

De acordo com Churkin, o Exército sírio paralisou suas operações em Aleppo, com o objetivo de permitir que combatentes da oposição e suas famílias deixem a cidade.

Submetidos a quatro semanas de intensos bombardeios aéreos e ao fogo da artilharia, os rebeldes perderam quase todo seu antigo reduto do leste de Aleppo e estão encurralados, juntamente com milhares de civis, principalmente no bairro de Al Mashad.

Apoio Russo

A conquista total de Aleppo, dividida desde 2012, permitirá ao governo de Bashar Al Assad controlar as cinco maiores cidades da Síria, junto com Homs, Hama, Damasco e Latakia - conquista que não teria sido possível sem a ajuda de Moscou, aliada de Damasco e ativa na Síria desde setembro de 2015.

Em quatro semanas, a operação militar custou a vida de mais de 463 civis no leste de Aleppo, segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), enquanto 130 civis morreram no oeste da cidade. Desde 15 de novembro, mais de 130 mil civis fugiram dos bairros do leste.

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro