São Paulo, SP, 27/06/2019
 
14/01/2015 - 13h56m

Senador promove ato "Somos Charlie" contra o terrorismo

Agência Brasil/Mariana Jungmann  
Reprodução
O evento vai lembrar os atentados ocorridos na semana passada em Paris
O evento vai lembrar os atentados ocorridos na semana passada em Paris

Brasília - O auditório do Interlegis, no Senado, será palco, na próxima quinta-feira (15), de um ato público contra o terrorismo e a islamofobia, que contará com a participação de políticos, jornalistas, diplomatas e representantes da sociedade civil brasileira. O ato foi convocado pelo senador Cristóvam Buarque (PDT-DF).

Entre os convidados estão o ministro conselheiro da Embaixada da França no Brasil, Gael de Maisonneuve; os presidentes da Associação Nacional de Jornais (ANJ), Ricardo Pedreira; da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), Daniel Slavieiro; e da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), Celso Augusto Schroder; mais o representante do Centro Islâmico de Brasília, xeque Muhammad Zidan.

O ato, que será realizado das 11h às 13h, vai lembrar os atentados ocorridos em Paris na semana passada e debater as liberdades de expressão e de culto religioso. O evento será chamado de Somos Charlie, em homenagem ao jornal francês Charlie Hebdo, que teve a sede invadida por terroristas islâmicos que assassinaram 12 pessoas, entre jornalistas, chargistas e policiais.

Depois do massacre, mais dois episódios de tensão ocorreram em Paris, simultaneamente. Os dois terroristas foram encurralados pela polícia francesa em uma fábrica ao norte da cidade, fazendo inicialmente alguns reféns.

Outro extremista invadiu um mercado de produtos judaicos, também na capital francesa, fazendo reféns para exigir que os responsáveis pelas mortes no Charlie Hebdo fossem liberados. A polícia invadiu os dois lugares e matou os terroristas. Quatro reféns judeus morreram e a mulher que acompanhava o extremista do mercado judaico fugiu.

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro