São Paulo, SP, 17/08/2019
 
14/08/2015 - 14h07m

Teahupoo é iniciada com homenagem ao surfista Ricardo Santos

Agência Hoje/Nathália Cáceres Martins 
Reprodução
Surfistas homenagearam Ricardo Santos, morto em janeiro deste ano
Surfistas homenagearam Ricardo Santos, morto em janeiro deste ano

São Paulo - Dando início ao Teahuppo no Taiti, competidores homenagearam o surfista Ricardo Santos, que foi morto em frente à sua casa em Santa Catarina em janeiro deste ano.

Para iniciar a disputa, todos os surfistas juntamente com os membros da liga Mundial de Surfe fizeram uma grande roda no mar para a cerimônia da abertura da sétima etapa do CT.

A etapa está acontecendo em um dos locais mais temidos dos surfistas por ser conhecido como “quebra crânio”, devido às ondas grandes e pesadas.

Gabriel Medina que é o atual campeão mundial, porém que está em baixa nesta temporada 2015, quer defender o título que conquistou em 2014, após épico final contra Kelly Slater, vencendo o apenas por três centésimos de diferença (18,96 a 18,93).

Essa não será uma busca fácil, pois desde que Terahupoo foi colocada no calendário no circuito da elite mundial em 1999, não teve competidor que conseguiu atingir a vitória duas vezes seguida.

Poucos surfistas conseguiram esse trunfo, entre eles Kelly Slater que foi tetracampeão, em 2000, 2003, 2005 e 2011 e entre os bicampeões estão Andy Irons 2002 e 2010 e o Bobby Martinez em 2006 e 2009.

Para os competidores brasileiros o local remete apenas boas lembranças, devido às ondas inesquecíveis, alguns relatam até que a melhor onda já surfada foi neste local, entre eles Neco Padaratz, grande nome do surfe brasileiro.

Na competição de 2005, Padaratz ganhou nota 10 na etapa de Teahupoo, em uma onda que ficará para sempre em sua Memória, sua execução foi perfeita, representando a superação de episódio difícil em sua vida.

Tudo aconteceu quando o surfista foi arrastado pela onda Taitiana, onde ficou preso pela corda ao reef e acabou parando em uma caverna de corais, após esse acontecimento, ele não voltou ao local durante três anos consecutivos.

E ele não é o primeiro a passar por sufoco na etapa, Felipe conhecido como gordo, teve sérios problemas em 2011, quando o mar estava desafiador, e o competidor deixou o local com mais de 20 pontos espalhados pelo corpo. Lembrando da situação, o jovem afirma “Quase apaguei. Mas peguei a bomba da minha vida”

Nesse mesmo ano, Maya Gabeira, após levar uma série de ondas na cabeça e ser resgatada, saiu do mar desacordada, e em 2013, Pedro Scooby, acabou sendo lançado na bancada de corais rasa e acabou saindo do local ensanguentado.

Porém, também teve quem brilhou no mundial, Bruno Santos saiu das eliminatórias de 2008 faturando a etapa, e neste ano passou pelos trials e consegui se credenciar na disputa acirrada.

Já em 2014, foi a vez de Medina, que venceu a etapa que é considerada uma das melhores que o WCT já teve no Taiti. Entre as notas sete de 10 foram perfeitas, onde todos os jurados avaliaram a situação como máxima, o jovem acabou tendo notas altas, só na reta final, foram cinco acima dos nove pontos.

O Brasil será representado nesta etapa por oito surfistas entre eles, sete que disputam na elite do circuito como: Jadson, André, Filipe Toledo, Gabriel Medina, Miguel Pupo, Wiggolly Dantas, além de Bruno Santos, que está classificado em segundo lugar nas eliminatórias.

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro