São Paulo, SP, 23/05/2017
 
03/04/2017 - 09h08m

Venda de material de construção no varejo cresce 10% em março

Agência Apoio* 
Agência Brasil/Arquivo
Consumidora de materiais de construção, Raimunda Rodrigues Paes Landim confirma aumento das compras em março
Consumidora de materiais de construção, Raimunda Rodrigues Paes Landim confirma aumento das compras em março

São Paulo - As vendas no varejo de material de construção cresceram 10% no mês de março, na comparação com fevereiro. Com relação à março do ano passado, o desempenho foi 12% superior. Os dados são da Pesquisa Tracking mensal da Anamaco, que entrevistou 530 lojistas entre os dias 28 a 31 de março.

De acordo com o relatório, no primeiro trimestre do ano, o setor apresenta crescimento de 4% sobre o mesmo período do ano passado.

“Nos últimos 12 meses, o desempenho é negativo de 5%, mas os resultados vem indicando que estamos iniciando uma recuperação, depois de dois anos super difíceis, o que nos dá a certeza de que estamos no caminho certo para retomar o crescimento”, declara Cláudio Conz, presidente da Anamaco.

Feicon Batimat

Segundo ele, com o início da Feicon Batimat, principal evento do setor no ano, que acontece de 04 a 08 de abril no São Paulo Expo, o ano só tende a melhorar para o setor. “Mais de 60 mil lojistas de todo o país devem visitar o evento, que é a principal vitrine do nosso segmento, com mais de 2 mil lançamentos anualmente. A antecipação de negócios gerada na feira esse ano deve superar os R$ 500 milhões, ajudando a movimentar ainda mais a nossa cadeia produtiva”, explica.

De acordo com o a pesquisa da Anamaco, todas as regiões apresentaram resultados favoráveis em março, comparado com o mês de fevereiro.

“Com o fim do período de matrículas escolares e de pagamento de impostos como o IPVA, as pessoas voltam a focar seus esforços na reforma da casa. Além disso, a previsão é que em abril saia o primeiro edital do Cartão Reforma, de R$ 100 milhões, iniciando em maio a distribuição na primeira cidade, que será Caruaru, no Ceará. Depois disso, será um edital por mês, até atingir o teto de R$ 1 bilhão em 2017. Isso deve ter um impacto muito positivo no nosso setor, e a nossa previsão é de fechar o ano com crescimento de 5% sobre o ano passado, recuperando as perdas de 2016”, completa o presidente da Anamaco.

Apesar dos números positivos em março, diminuiu o otimismo do setor com relação às ações do Governo nos próximos meses (de 54% para 45%). Já 37% dos entrevistados afirmou que pretende fazer novos investimentos em 2017 e diminuiu de 16% para 13% a intenção de contratar novos funcionários já no mês de maio.

Os lojistas também esperam que o setor recue um pouco no mês de abril. “Março foi um mês com muito mais dias úteis do que fevereiro, e como fevereiro sempre é um mês muito ruim, a probabilidade é de termos um desempenho mais discreto nos mês que se inicia”, finaliza Conz.

Sobre a Anamaco

A Anamaco - Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção - é uma entidade de classe, sem fins lucrativos, que funciona como interface entre os órgãos governamentais e as Acomacs e Fecomacs, demais entidades, fabricantes e comerciantes de material de construção. Em 2017, a entidade comemora 53 anos de fundação de seu sistema associativista.

O papel da entidade é desenvolver ações junto ao poder público apresentando sugestões e projetos que têm por objetivo aumentar as vendas de material de construção, promovendo o desenvolvimento do setor e do país como um todo. A Anamaco também promove discussões em torno de assuntos que podem interferir diretamente na cadeia produtiva da construção, como questões ligadas à tributação e projetos de lei.

Com cerca de 148 mil lojas em todo o país (incluindo 136.868 lojas varejistas e mais de 12 mil lojas atacadistas), o setor de material de construção é parte integrante do complexo denominado de “ConstruBusiness”, que representa 9,1% do PIB brasileiro.

Cada R$1 produzido na construção gera R$ 1,88 na produção do país. As atividades da cadeia ocuparam 11,3 milhões de pessoas em todo o país em 2014, sendo que comércio e serviços correspondem a 16,2% desse total. A cadeia da construção é o 4º maior gerador de empregos do país e remunera seus trabalhadores 11,7% mais do que os outros setores da economia.

Em termos reais, o valor adicionado pelo comércio de material de construção cresceu a uma taxa de 8,5% ao ano entre 2007 e 2014, e o emprego expandiu-se a um ritmo de 6,5% ao ano.

* Com informações da Anamaco (Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção)

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro