São Paulo, SP, 16/10/2018
 
23/11/2014 - 19h50m

Viagem de Risco

 

É cada vez maior o número de moradores de Cascavel que reclama do excesso de passageiros nos ônibus que viajam para cidades da região, como Toledo, Corbélia e Guaíra.

Todos os dias os ônibus saem lotados, mas no fim de semana a situação piora muito. Os coletivos chegam a levar 60 pessoas em pé, mantendo velocidades entre 90 e 100 quilômetros por hora na maior parte do percurso. Não há lugares marcados, senta quem chegar primeiro e mães com crianças e idosos correm maior risco.

É uma viagem perigosa de 47 quilômetros até Toledo, um desafio a todas as regras de segurança. A empresa Princesa dos Campos, concessionária do serviço, colou um adesivo informando que os assentos não são marcados e os passageiros também  podem viajar em pé. Sintomaticamente, não há telefones da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres), comuns em todos os ônibus, e nem da Agência Reguladora do Paraná.

Viagem de Risco 1

Os usuários dizem que para driblar as normas da ANTT que proíbem passageiros em pé nas viagens mais longas, a empresa divide alguns percursos em duas etapas. Por exemplo: quem vai de Cascavel para Guaíra recebe duas passagens. A primeira no trecho Cascavel-Toledo e a segunda no trecho Toledo-Guaíra.

Elas são entregues grampeadas e o passageiro não precisa nem descer na Estação Rodoviária de Toledo. Se tiver lugar, coisa rara, senta. Do contrário, vai até o destino final em pé.

Viagem de Risco 2

Sem serem ouvidos depois de muitas reclamações, eles agora partiram para uma solução menos comum: estão filmando as condições em que os ônibus viajam e preparam um documento para ser encaminhado ao programa Fantástico. Acham que mostrando a situação e pedindo ajuda via Rede Globo a solução virá mais depressa.

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro