São Paulo, SP, 20/05/2024
 
06/03/2016 - 17h02m

Escultura em homenagem a Mário Covas é inaugurada no Parque da Juventude, SP

Agência Brasil/Fernanda Cruz 

São Paulo - A escultura Sonho de Liberdade foi inaugurada neste domingo (6) no Parque da Juventude, zona norte da capital paulista, em homenagem aos 15 anos da morte do ex-governador de São Paulo, Mário Covas. No local onde a obra foi instalada funcionou, no passado, o Pavilhão 9 da Casa de Detenção do Carandiru, que ficou conhecido pelo massacre do Carandiru.

A Casa de Detenção foi desativada por decisão do ex-governador Covas, em 2001, dando espaço ao Parque da Juventude, à Escola Técnica e à Biblioteca de São Paulo. Atualmente, as atrações recebem, em média, 200 mil frequentadores por mês.

Escultura

A obra original do artista italiano Domenico Calabrone foi doada pela família do escultor à Fundação Mario Covas. A instalação inaugurada hoje é uma réplica ampliada em bronze de 6 metros de altura, financiada com recursos do Programa de Ação Cultural (Proac).

“Mário Covas deixou exemplo de coerência, apreço pela democracia, um homem de principios, de valores. Um grande gestor, perto do povo quando prefeito, nos mutirões nos bairros de São Paulo, a que ele ia pessoalmente aos sábados. Um governador que recuperou o estado”, disse o governador Geraldo Alckmin, que participou da inauguração.

O neto de Covas, o deputado federal Bruno Covas (PSDB), também fez sua homenagem. “Num país onde se diz que 'rei morto é rei posto', num país em que ser político é tudo o que há de pior na face da terra, a gente está aqui 15 anos depois do falecimento dele, juntando todas essas pessoas. Isso mostra que vale a pena a obra ser perpetuada. As pessoas carregam carinho, a recordação de cada palavra, de cada discurso, de cada ação dele”, disse.

A cerimônia teve também um culto ecumênico com a presença de um padre, um pastor evangélico, um rabino e um representante de religiões afro.

Hoje São Paulo

© 2024 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro