São Paulo, SP, 18/10/2018
 
09/08/2016 - 10h26m

Dificuldades e superações marcaram a história do MASP

Agência Hoje/Parte 2 
 Museu de Arte de São Paulo - MASP  Museu de Arte de São Paulo - MASP - Por The Photographer - Obra do próprio, CC0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=378122
Museu de Arte de São Paulo - MASP Museu de Arte de São Paulo - MASP - Por The Photographer - Obra do próprio, CC0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=378122
  • Amedeo Modigliani/ Retrato de Leopold Zborowski
  • Paul Cézanne/Madame Cézanne em Vermelho
  • Henri de Toulouse-Lautrec/Monsieur Fourcade
  • Jean-Auguste-Dominique Ingres/A Virgem do Véu Azu
  • Antoine Vestier/Retrato de Dama com Livro Junto a uma Fonte
  • Frans Hals/O Capitão Andries van Hoorn
  • Maestro di San Martino alla Palma  Virgem com o Menino Jesus
  • Emiliano Di Cavalcanti Cinco Moças de Guaratinguetá
  • Vista em direção ao Centro da cidade
  • Vista para o Parque Trianon, na Avenida Paulista

PARTE 2

São Paulo (Agência Hoje) - Localizado na Avenida Paulista, coração da tradição paulistana, o MASP abriga cerca de 8 mil obras trazidas de todo o mundo e uma vasta biblioteca especializada em arte.

Leia a PARTE 1 - A curiosa história do MASP, museu querido dos paulistanos

Reconhecimento e dificuldades

Em 1953 teve início uma turnê internacional, com parte do acervo do museu. Iniciando pela França, onde foi muito bem recebida pela crítica, a mostra seguiu para diversos outros museus da Europa, depois rumo aos Estados Unidos, consolidando de vez o nome do MASP e trazendo reconhecimento para o acervo.

A turnê durou quatro anos e também serviu para aumentar a coleção, pois Chateaubriand e Pietro Maria Bardi aproveitaram para adquirir novas obras. As aquisições feitas junto a galerias renomadas, entretanto, não foram saldadas conforme combinado. O acervo teve que ser penhorado para garantia junto ao credor e outro empréstimo, feito junto à Caixa Econômica Federal, por influência do então presidente Juscelino Kubitscheck, para afastar o risco do confisco total das obras de arte.

Superada a fase de maior dificuldade, Pietro Maria Bardi, conseguiu que o acervo fosse tombado pelo Serviço de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Dessa forma, a partir de 1969, as obras tornaram-se parte do patrimônio brasileiro e sujeitas à sua regulação.

O CONDEPHAAT – Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado registrou o tombamento em 1982 e, em 2003, também o IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

Saiba mais sobre tombamento

Grandes exposições

Os anos a partir de 1980 foram muito importantes para a MASP. Grandes exposições e reconhecimento consolidaram a sua atividade no cenário nacional e internacional. Importantes mostras percorreram diversas cidades da Itália, Suíça, Alemanha, Holanda e Japão.

O intercâmbio com museus de outras cidades do mundo gerou retorno financeiro providencial, já que depois do falecimento de Chateaubriand, o MASP perdeu o seu negociador junto aos patrocinadores.

Em 1996, depois de 49 anos de dedicação, Pietro Maria Bardi deixou a direção do MASP, vindo a falecer em 1999.

MASP após Pietro Maria Bardi

A partir de meados da década de 90 e pelos próximos 15 anos, o museu entrou novamente em crise financeira. Grandes exposições foram feitas, com bons resultados de público, porém os tempos eram outros.

O período foi marcado por alterações polêmicas na maneira de administrar o espaço e o funcionamento. Já então sem os seus dois principais promotores – Chateaubriand, que viabilizava as contribuições financeiras e Bardi, que zelava pela qualidade do acervo e aquisições - o museu entrou em dificuldade novamente.

Obras de arte tiveram que ser penhoradas em garantia de pagamento de dívidas junto à Justiça do Trabalho. Reformas equivocadas, projetos inviabilizados e até um roubo de obras de arte no valor estimado de R$ 55 milhões, foram acontecimentos que marcaram essa fase.

O MASP hoje

Hoje o MASP funciona como um grande centro que oferece cursos, seminários, palestras, apresentações e atividades culturais diversas. O MASP abriga em seu espaço loja, restaurante, café, biblioteca, oficinas e possui convênios com estacionamentos próximos.

Algumas grandes empresas tornaram-se parceiras e patrocinadoras. Programas de parceria acessíveis a pessoas físicas e jurídicas também são responsáveis pela manutenção do museu e ampliação do acervo. Saiba como participar e ser colaborador do MASP pelo site http://masp.art.br/masp2010/parcerias_amigos-do-masp.php.Serviço

Serviço

Endereço: Avenida Paulista, 1578 - CEP 01310-200 Bela Vista – São Paulo – SP

Telefone: (11) 3149 5959

Horários: Terça a domingo: 10h às 18h (bilheteria aberta até 17h30)

Quinta-feira: 10h às 20h (bilheteria até 19h30)

Ingressos:

R$25 (entrada)

R$12 (meia-entrada)

O MASP tem entrada gratuita às terças-feiras.

O ingresso dá direito a visitar todas as exposições em cartaz no dia da visita.

Estudantes, professores e maiores de 60 anos pagam meia entrada.

Menores de 10 anos de idade não pagam ingresso.

O MASP aceita todos os cartões de crédito.

Acessível a deficientes, ar condicionado, classificação livre.

Hoje São Paulo

© 2012 - Hoje São Paulo - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare e Rogério Carneiro